Por que o coronavírus (COVID-19) se espalha exponencialmente e como achatar a curva

|
Tempo médio de leitura: 5 minutos
4.9
(18)

Após o primeiro caso de covid-19, a doença causada pela nova linhagem de coronavírus foi anunciada nos Estados Unidos, os relatos de novas infecções surgindo lentamente. Dois meses depois, esse fio se transformou em uma corrente constante. E isso também pode acontecer no Brasil.

Essa chamada curva exponencial preocupa os especialistas. Se o número de casos continuar dobrando a cada três dias, haverá cerca de cem milhões de casos nos Estados Unidos até maio.

No Brasil o cenário não é diferente, até o momento são 200 casos do COVID-19, sendo que o primeiro caso foi confirmado no dia 26 de Fevereiro, exatos 20 dias atrás.

Isso é matemática, não profecia. A disseminação pode ser mais lenta, dizem os profissionais de saúde pública, se as pessoas praticam “distanciamento social”, evitando espaços públicos e geralmente limitando seus movimentos.

Ainda assim, sem medidas para desacelerá-lo, o covid-19 continuará se espalhando exponencialmente por meses. Para entender o porquê, vamos simular a propagação de uma doença falsa por uma população.

Chamaremos a nossa falsa de doença de “simulite”. Ela se espalha ainda mais facilmente do que a covid-19: sempre que uma pessoa saudável entra em contato com uma pessoa doente, ela também fica doente.

Em uma população de apenas cinco pessoas, não demorou muito para que todos pegassem “simulite”.

Na vida real, é claro, as pessoas acabam se recuperando. Uma pessoa recuperada não pode transmitir “simulite” a uma pessoa saudável nem adoecer novamente depois de entrar em contato com uma pessoa doente.

Vamos ver o que acontece quando a “simulite” se espalha em uma cidade de 200 pessoas. Começaremos todos na cidade em uma posição aleatória, movendo-se em um ângulo aleatório, e deixaremos uma pessoa doente.

Observe como a inclinação da curva vermelha, que representa o número de pessoas doentes, aumenta rapidamente à medida que a doença se espalha e depois diminui à medida que as pessoas se recuperam.

Nossa cidade de simulação é pequena, então a “simulite” foi capaz de se espalhar rapidamente por toda a população. Em um país como o Brasil, com mais de 200 milhões de habitantes, a curva pode se acentuar por um longo tempo antes de começar a desacelerar.

Quando se trata do verdadeiro COVID-19, preferimos diminuir a propagação do vírus antes que ele infecte grande parte da população brasileira. Para diminuir a “simulite”, vamos tentar criar uma quarentena forçada, como a que o governo chinês impôs à província de Hubei, o marco zero da COVID -19.

COVID-19 com quarentena forçada

Ops! Como esperavam os especialistas em saúde, foi impossível isolar completamente a população doente das pessoas saudáveis.

Felizmente, existem outras maneiras de retardar um surto. Acima de tudo, as autoridades de saúde incentivaram as pessoas a evitar reuniões públicas, ficar em casa com mais frequência e manter distância de outras pessoas. Se as pessoas são menos móveis e interagem menos, o vírus tem menos oportunidades de se espalhar.

Algumas pessoas ainda vão sair. Talvez eles não possam ficar em casa por causa de seu trabalho ou outras obrigações, ou talvez simplesmente se recusem a prestar atenção às advertências de saúde pública. Essas pessoas não são apenas mais propensas a adoecer, são mais propensas a espalhar “simulite” também.

Vamos ver o que acontece quando um quarto da nossa população continua a se movimentar, enquanto os outros três quartos adotam uma estratégia do que os especialistas em saúde chamam de “distanciamento social”

coronavírus com distanciamento social

Um maior distanciamento social mantém mais pessoas saudáveis, e é nisso que precisamos nos concentrar.

“Controlamos o desejo de estar em espaços públicos fechando. A Itália está fechando todos os seus restaurantes. A China está fechando tudo, e agora estamos fechando as coisas também ”, disse Drew Harris, pesquisador em saúde da população e professor assistente na Faculdade de Saúde Pública da Universidade Thomas Jefferson.

Para simular mais distanciamento social, em vez de permitir a movimentação de um quarto da população, veremos o que acontece quando deixamos apenas uma em cada oito pessoas se mover.

Mesmo com resultados diferentes, o distanciamento social moderado geralmente supera a tentativa de quarentena, e o amplo distanciamento social geralmente funciona melhor de todos. Abaixo está uma comparação dos seus resultados.

“Simulite” não é o COVID-19, e essas simulações simplificam enormemente a complexidade da vida real. No entanto, assim como a “simulite” se espalha através das redes de bolas quicando na tela, o COVID-19 está se espalhando por nossas redes humanas – por nossos países, nossas cidades, nossos locais de trabalho, nossas famílias. E, como uma bola quicando na tela, o comportamento de uma única pessoa pode causar efeitos que afetam pessoas distantes.

Em um aspecto crucial, porém, essas simulações não se parecem com a realidade: ao contrário da “simulite”, a COVID-19 pode matar. Embora a taxa de mortalidade não seja conhecida com precisão, é claro que os membros idosos da nossa comunidade correm maior risco de morrer de COVID-19.

Vamos colaborar para que os efeitos do novo coronavírus seja o menor possível.

A Mettzer é a maior plataforma do Brasil para gestão e desenvolvimento de pesquisas científicas, é nosso compromisso ajudar no combate ao COVID-19.

Este texto foi originalmente publicado por Harry Stevens no The Washington Post. Traduzido e adaptado pela equipe da Mettzer para facilitar a leitura e compreensão da população brasileira.

Fonte original: https://www.washingtonpost.com/graphics/2020/world/corona-simulator/

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.9 / 5. Número de votos: 18

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.