Vivendo de divulgação científica

|
Tempo médio de leitura: 5 minutos
0
(0)

Conteúdo produzido por por Roberto Takata sobre como a Divulgação científica é importante para cientistas, pesquisadores e sociedade.


Acredita-se que o momento atual que combina a crise de subfinanciamento das ciências e a crise da pandemia de COVID-19 tenha evidenciado a importância das ciências e da divulgação científica para o público.

Os cortes seguidos nos orçamentos destinados à ciência, tecnologia e inovação nos últimos anos têm pressionado os cientistas e a academia a buscarem apoio na população para a necessidade da reversão desse quadro.

A pandemia mostrou a importância desse investimento em pesquisa científica – não apenas para o desenvolvimento de tratamentos, medicamentos e vacinas, mas para a compreensão das novas relações de trabalho e estudo e do contato social, destacando, assim, não só a importância do conhecimento das ciências da saúde, como também das ciências sociais.

De fato, várias justificativas são elencadas para a necessidade da comunicação pública da ciência, isto é, do diálogo entre a academia e a população, seja diretamente através dos próprios cientistas, seja indiretamente, através da intermediação da figura do divulgador, como um jornalista de ciências.

Vide, por exemplo, o texto de Marcelo Valério, “Para que serve a divulgação científica?”, no Medium; e outro cometido por este autor, “O papel da ciência e dos divulgadores científicos no desenvolvimento da sociedade”, no Huffpost.

Mas, ok, vamos supor que você tenha se sentido impelido a enveredar seriamente pelas sendas da divulgação científica: seja como uma missão de auxiliar a desenvolver a cultura científica no país, de desenvolver uma visão crítica nos cidadãos, seja como um meio de desenvolver sua própria carreira, o que for.

É possível viver de divulgação científica?

Qualquer que seja o motivo, há vários caminhos possíveis para isso. Dois modos principais são:

1) realizar a divulgação como uma atividade paralela ou integrada a sua profissão como cientista e 2) realizar a divulgação como a própria profissão.

Epa, peraê, viver de divulgação científica? É possível isso?

A resposta honesta é: sim, é possível. Mas uma mais honesta é: sim, é possível, porém difícil.

O mercado, ainda mais atualmente, não é dos mais promissores – há demanda pelo trabalho, mas poucas posições pagas.

Várias seções e veículos especializados em cobrir questões científicas foram sumindo em anos recentes – sobretudo pela crise da imprensa com a concorrência da internet e das novas mídias sociais.

Porém, há ainda alguns jornalistas científicos especializados atuantes em grandes veículos – outros tiveram que passar a cobrir mais outros temas também ou procurar outros empregos – poucos contratados, boa parte atuando como freelancers. E há também outros empregos, ainda que, ao menos por enquanto, limitados. Instituições de pesquisa precisam de assessores de imprensa e algumas têm mesmo um setor especializado de jornalismo.

Alguns projetos como os CEPIDs em São Paulo e os INCTs no Brasil todo também contratam jornalistas e divulgadores de ciência para cumprir o objetivo de comunicar ao público as pesquisas ali realizadas – mas, na maior parte das vezes, na forma de bolsas, não de salários.

Museus e centros de ciência precisam de especialistas na curadoria e na produção de projetos. Algumas pessoas especializadas em divulgação científica conseguem posições acadêmicas pesquisando sobre divulgação científica (história, métodos, relações com o público, ética, etc.) e formando novos divulgadores – caso deste escriba (ainda que apenas temporariamente).

Empreendedores de Divulgação científica

Mas há uma trilha de empreendedores de divulgação científica. Talvez mais complexa e mais desafiadora. Alguns, como Iberê Thenório e Mari Fulfaro, do canal Manual do Mundo, e Atila Iamarino, do Nerdologia, conseguem viver de divulgação científica.

Como monetizar com divulgação científica

Uma parte – geralmente a menor – da renda pode advir de mecanismos como o AdSense do Google ou a publicidade automática no Youtube;

A maior parte provém de participação em campanhas publicitárias diretas – contratadas para ações específicas por agências de publicidade: divulgar um produto ou serviço em um vídeo do canal ou no podcast, gravar comerciais a serem exibidos em outros veículos, participar presencialmente (embora enquanto durar esta pandemia isso não seja viável) de ações publicitária de empresas…

Como complemento, a venda de itens da marca que você criar em seu projeto: camisetas, livros, canecos, entre outros.

A visibilidade necessária para angariar o interesse das empresas pode levar anos e anos de trabalho para ser construída.

E o filão de influencers da divulgação científica era pouco explorado de fato – há iniciativas como a da agência Numinalabs, do Rafael Bento, que procuram fazer a ponte entre o divulgador científico e as marcas para tais ações.

Um outro modo é por meio da criação de organizações não governamentais, como o Instituto Questão de Ciência, capitaneado pela bióloga Natália Pasternak, que procura promover a valorização da ciência na discussão de políticas públicas.

Formas tradicionais de monetizar com divulgação científica

Há também a possibilidade, um pouco mais tradicional (mas mesmo aqui com espaço para inovação de soluções de serviços oferecidos), de criar veículos de jornalismo científico – como a recém-criada Agência Bori, coordenada por Sabine Righetti e Ana Paula Morales, ou o Direto da Ciência, do jornalista Maurício Tuffani: o faturamento sendo constituído seja por venda de espaço publicitário, seja por convênios com instituições de pesquisa, seja – cada vez mais complicado – por venda de assinaturas, ou por meio de crowdfunding.

Crowdfunding tem sido o principal meio de financiamento de projetos independentes (que não fazem parte de conglomerados de mídia ou de instituições acadêmicas ou governamentais), porém na maior parte conseguem levantar apenas o suficiente para cobrir despesas como edição e hospedagem.

Infelizmente faltam pesquisas mais sistemáticas tanto do mercado e seu potencial quanto das iniciativas existentes e seus êxitos (e eventuais fracassos) como há para outras áreas.

No entanto, essas iniciativas pioneiras estão desbravando terrenos pouco ou nada explorados anteriormente, o que deve permitir que futuros comunicadores encontrem um cenário mais propício e conhecido para finalmente se viver de divulgação científica de forma viável e digna.

Se for mais avesso a riscos, pode explorar as modalidades mais tradicionais – que estão cada vez mais restritas – ou esperar pela consolidação do novo mercado – cuja configuração final ainda está em aberto.

Se você tem um espírito aventureiro e administra bem riscos, pode mergulhar de cabeça na divulgação como empreendimento – há recompensas para os pioneiros: fora da área de divulgação científica, comunicadores como PC Siqueira e Felipe Neto, exploraram nichos abertos com o Youtube, de pessoas jovens com opiniões fortes, cujos sucessos, hoje, seriam complicados de se replicar.


Os artigos da categoria colunistas não refletem necessariamente a opinião da Mettzer, sendo de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

1 comentário em “Vivendo de divulgação científica”

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.