Normas ABNT: o guia completo com tudo o que você precisa saber

normas abnt

Todo aluno de graduação já entrou ou vai entrar em contato com o termo “normas ABNT” em algum ponto da sua vida acadêmica.

As regras guiam a produção de trabalhos acadêmicos como artigos e monografias, e são amplamente utilizadas por diversas instituições de ensino no Brasil.

Mas você realmente conhece a Associação Brasileira de Normas Técnicas e suas normas? Sabe quais são suas funções e objetivos?

Quem precisa conhecer e aplicar corretamente as normas da ABNT em suas produções acadêmicas irá encontrar aqui um guia completo.

Iremos abordar as normas ABNT com instruções práticas que podem ser utilizadas para a formatação dos seus trabalhos acadêmicos, e assim garantir sua qualidade e validade científica.

1 História da ABNT

A Associação Brasileira de Normas Técnicas, mais conhecida pela sua sigla ABNT, é uma entidade privada sem fins lucrativos, responsável pela normalização técnica de diversos setores no Brasil.

É, não é só de TCC que vive a ABNT não! Ela surgiu, inclusive, da necessidade de se estudar e padronizar o uso do concreto armado, em 1940.

Uma indústria que estava em plena expansão, mas que carecia de diretrizes técnicas para sustentar sua utilização em larga escala.

Após sua fundação, foi iniciada a inclusão de normas para outras indústrias, como açúcar e álcool, elementos de máquinas, códigos de instalações hidráulicas, material ferroviário, produtos químicos industriais, solos, tecidos, códigos de obras, couros, cacau, desenho técnico, estruturas de madeira, módulos de construção, petróleo e vocabulários técnicos.

A partir de 1950, a ABNT passou a atuar também na avaliação da conformidade, e dispõe de programas para certificação de produtos, sistemas e rotulagem ambiental.

Esta atividade está fundamentada em guias e princípios técnicos internacionalmente aceitos. Além de contar com uma estrutura técnica e de auditores multidisciplinares, que garantem a credibilidade, a ética e o reconhecimento dos serviços prestados.

Você sabia? A ABNT também é membro fundador de entidades como a International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização – ISO), a Comisión Panamericana de Normas Técnicas (Comissão Pan-Americana de Normas Técnicas – Copant) e a Asociación Mercosur de Normalización (Associação Mercosul de Normalização – AMN).

2 Missão da ABNT

Enquanto organização, o trabalho da ABNT é fundamentado pelo objetivo de prover a sociedade brasileira com conhecimento sistematizado.

Isso por meio de documentos normativos que permitam a produção, a comercialização e a utilização de bens e serviços de forma competitiva e sustentável.

O objetivo geral é contribuir para o desenvolvimento científico e tecnológico brasileiro, além de oferecer proteção ao meio ambiente e a defesa do consumidor.

Em outras palavras, a ABNT busca criar diretrizes técnicas e padronizações que contribuam para o avanço das diversas atividades que ela regulamenta.

Entre essas atividades, está a produção acadêmica, que tem fundamental importância para a criação de novos conhecimentos que contribuam para o progresso almejado pela ABNT, sendo portanto, um ponto fundamental da missão da entidade.

3 A importância das Normas ABNT para a produção acadêmica

As normas ABNT possuem uma importância fundamental para a produção acadêmica e científica, que é a de manter um padrão uniforme na estrutura e apresentação dos trabalhos.

Sendo assim, um trabalho produzido na região sul, por exemplo, possa ser facilmente compreendido em qualquer outra região do Brasil e do mundo.

Essa normalização evita que cada autor produza seu trabalho de acordo com suas preferências pessoais, o que criaria uma incompatibilidade entre toda a produção acadêmica.

Além de dificultar muito a troca de conhecimentos e experiências, resultando numa barreira para o avanço científico e tecnológico nacional.

Para evitar este cenário, as normas ABNT surgem como um conjunto de diretrizes que auxiliam no desenvolvimento de pesquisas e que são aceitas por todos os envolvidos nos meios acadêmicos e científicos.

Dessa forma, é possível que todos os trabalhos tenham a mesma estrutura e aparência, facilitando o acesso às informações, a correção e a avaliação dos projetos.

Com isso, cria-se uma maior ordenação entre as comunidades científica e acadêmica, e promove o compartilhamento dos resultados obtidos através das pesquisas realizadas.

4 Normas ABNT para a formatação de trabalhos acadêmicos

Como falamos acima, a ABNT confere maior uniformidade aos trabalhos elaborados. Desta forma, existem diversas regras e detalhes que devem ser seguidos na hora de escrever e formatar trabalhos como uma monografia, por exemplo.

Essas normas estipuladas pela ABNT costumam gerar diversas dúvidas em alunos de graduação, principalmente na reta final do curso.

Para facilitar essa tarefa de aplicar as normas ABNT no seu trabalho e te ajudar a garantir uma boa nota final para o seu projeto, preparamos este guia que explica quais são as normas ABNT para monografias e como aplicá-las no seu TCC.

5 Estrutura do trabalho

A estrutura das monografias deve seguir um padrão comum, definido pelas regras ABNT, compostas de elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais.

Os elementos pré-textuais são aqueles que introduzem a monografia, aparecendo antes do conteúdo central e, portanto, compondo a primeira parte do trabalho.

Nesta parte, se encontram os seguintes itens:

A seguir, vêm os elementos textuais, ou seja, o texto principal do trabalho, composto de:

É nos elementos textuais que o autor explora o problema que motivou sua investigação, relata os processos de pesquisa e confere a validade das hipóteses levantadas inicialmente.

Por fim, existem os elementos pós-textuais, constituídos por tudo o que vem após o texto principal, como referências bibliográficas, glossário, apêndices, índices e anexos.

A utilização ou não de tais itens fica a critério do autor do trabalho e do conteúdo da monografia.

O único elemento exigido pelas regras da ABNT é a lista de referências, que deve conter todos os autores utilizados e citados ao longo do trabalho.

6 Margens e impressão nas Normas ABNT

As normas ABNT definem que as páginas da monografia devem ter margens superior e esquerda de 3 cm e margens inferior e direita de 2 cm.

Segundo as regras, o trabalho deve ser impresso em papel A4, é sugerido a impressão somente em um dos lados da folha, e em tinta preta.

Demais cores devem ser utilizadas somente para ilustrações, fotos e tabelas que seu trabalho possa conter.

Após a impressão, o trabalho deve ser encadernado com mola espiral e com capas plásticas, sendo a primeira branca e transparente e a última, preta e opaca.

7 Paginação

Colocar número nas páginas sempre gera dúvida, porque a página que começa a contagem não leva o número. Confuso? Calma, as regras da ABNT também estipulam como deve ser feita a paginação da monografia.

As folhas do trabalho devem ser contadas sequencialmente, a partir da folha de rosto que se torna a número 1.

Mas a numeração deve ser inserida a partir da primeira folha da parte textual do trabalho, ou seja, na Introdução.

Deve ser em algarismos arábicos e no canto superior direito da folha, a 2 cm da margem superior, ficando o último algarismo a 2 cm da margem direita da folha.

Veja como é mais simples do que parece no exemplo:

Elementos pré-textuais nas normas ABNT

8 Capa

A capa é um componente obrigatório da monografia, que tem a função de apresentar algumas informações básicas sobre o trabalho, como título e autor. Desse modo, ela deve conter:

  • Nome da instituição;
  • Nome do autor;
  • Título;
  • Subtítulo (se houver);
  • Número de volumes (se houver mais de um, deve constar em cada capa a especificação do respectivo volume);
  • Local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado;
  • Ano da entrega do trabalho.

As normas ABNT não definem diretrizes para o projeto gráfico da capa.

Portanto, essa tarefa fica a critério do autor do TCC, que pode configurar a capa como preferir, precisando apenas atender a exigência de inserir as informações apresentadas acima.

Dica: Algumas Instituições de Ensino possuem suas próprias diretrizes para a capa, portanto, não deixe de conferir o guia da sua universidade!

9 Folha de rosto

A folha de rosto, assim como a capa, também deve identificar algumas informações essenciais sobre o trabalho, como o autor da monografia e título, e ainda inclui alguns outros detalhes mais específicos, como a instituição para a qual a monografia foi apresentada, quem foi o seu orientador e o ano de conclusão.

Desta forma, ela deve conter:

  • Nome do autor;
  • Título principal do trabalho;
  • Subtítulo (se houver, deve ser evidenciada a sua subordinação ao título principal, precedido de dois pontos);
  • Número de volumes (se houver mais de um, deve constar em cada folha de rosto a especificação do respectivo volume);
  • Natureza (se é tese, dissertação, trabalho de conclusão de curso e outros) e objetivo (aprovação em disciplina, grau pretendido e outros);
  • Nome da instituição ao qual é submetido;
  • Área de concentração;
  • Nome do orientador e, se houver, do co-orientador;
  • Local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado;
  • Ano da entrega.

Assim como ocorre com a capa, o projeto gráfico da folho de rosto também fica a critério do autor do trabalho.

10 Folha de aprovação

A folha de aprovação, ou ficha de aprovação, é um componente obrigatório da parte pré-textual do trabalho, sendo exigida pelas regras da ABNT. Ela é composta por:

  • Nome do autor do trabalho;
  • Título do trabalho e subtítulo (se houver);
  • Natureza (propósito);
  • Objetivo;
  • Nome da instituição ao qual é submetido;
  • Área de concentração;
  • Data de aprovação;
  • Nome;
  • Titulação;
  • Assinatura dos componentes da banca examinadora e instituições a que pertencem.

A folha de aprovação deve ser inserida logo após a folha de rosto e ela também deve conter a data de aprovação e assinaturas dos membros componentes da banca examinadora. Essas informações serão adicionadas após a aprovação do trabalho.

11 Resumos em língua portuguesa e língua estrangeira

Elementos essenciais e obrigatórios de um trabalho acadêmico, os resumos em língua portuguesa e língua estrangeira servem como cartões de visita da sua pesquisa.

Eles são responsáveis por dar um panorama geral sobre o trabalho e despertar o interesse do leitor sobre o conteúdo da monografia.

Segundo as normas ABNT, os resumos devem ser constituídos de uma sequência de frases concisas e objetivas, não ultrapassando 500 palavras.

Portanto, não deve-se fazer uma simples enumeração de tópicos, mas sim redigir um texto introdutório.

O resumo em língua estrangeira pode ser feito em inglês (Abstract), espanhol (Resumen) ou francês (Résumé), seguindo o mesmo texto e padrão do resumo em língua portuguesa.

Em ambos os casos, o resumo deve ser seguido das palavras representativas do conteúdo do trabalho, isto é, as palavras-chave.

12 Sumário na Normas ABNT

A função do sumário é facilitar a localização de partes do texto que compõe a monografia, tornando a apresentação e leitura do trabalho mais organizadas.

Ele também é obrigatório e sua formatação deve seguir as normas ABNT.

O sumário é constituído pela enumeração dos títulos dos capítulos e suas divisões, com indicação da página de início de cada item do trabalho.

Os títulos que aparecem no sumário devem ser apresentados ao longo do trabalho com a mesma formatação.

Com alinhamento à esquerda, você deve colocar o número do item seguido de espaço, o título do capítulo ou divisão, espaço, pontos para preencher a linha, espaço, número da página.

Lembrando que os títulos são sempre em letras maiúsculas e em negrito. Assim:

1 INTRODUÇÃO …………………………………………………………………………… 10

Dica: Com o Mettzer você não precisa se preocupar com o sumário. Ele é feito automaticamente pelo sistema conforme você for escrevendo as páginas.

Elementos textuais nas Normas ABNT

13 Introdução

De acordo com as normas ABNT, o primeiro dos elementos textuais é a introdução.

Nesta parte inicial, deve constar a delimitação do assunto que será tratado no trabalho acadêmico, os objetivos da pesquisa e outros elementos que sejam necessários para fazer a apresentação do tema e da problemática que a monografia irá tratar, assim como também indicar algumas hipóteses iniciais.

14 Desenvolvimento

O desenvolvimento é a parte central e principal da monografia, onde deve-se expor o assunto tratado de forma ordenada e pormenorizada.

O desenvolvimento é dividido em capítulos e subcapítulos, sendo que eles variam de acordo com a abordagem utilizada e o método aplicado para discussão do tema do trabalho.

15 Capítulos

O desenvolvimento da monografia tem a divisão de seu conteúdo feita em capítulos, o que facilita a identificação dos fragmentos que constituem o texto integral e torna mais simples o acompanhamento do desenvolvimento do tema abordado.

Desta forma, as normas ABNT não definem regras fixas para a determinação dos capítulos, sendo que o autor tem a possibilidade de dividir seu texto em capítulos e subcapítulos quando entender necessário, conforme perceber que o assunto abordado deve ser tratado de forma separada.

16 Títulos

Segundo as normas ABNT, os títulos dos capítulos e subcapítulos devem ser alinhados à esquerda e devem ser numerados com algarismos arábicos, seguindo o sistema de numeração progressiva.

Deste modo, os capítulos primários são indicados com números inteiros e os subcapítulos são indicados pelo número do capítulo primário a que pertence, seguido do número que lhe for atribuído na sequência em que aparece no trabalho, sendo separado por ponto.

Exemplo:

1 TÍTULO PRIMÁRIO

1.1 TÍTULO SECUNDÁRIO

1.1.1 Título terciário

1.1.1.1 Título quaternário

1.1.1.1.1 Título quinário

As normas ABNT também estipulam que deve-se destacar os títulos dos capítulos de forma gradativa, utilizando-se os recursos de negrito, itálico ou grifo, no sumário e de forma idêntica no texto.

17 Parágrafos

As monografias devem ser redigidas nas fontes Arial ou Times New Roman, com tamanho 12, espaçamento de 1,5 cm entre linhas e recuo de 1,25 cm no início de parágrafos.

Em caso de citações diretas longas, notas de rodapé, referências no sistema numérico, títulos de ilustrações, fontes de ilustrações e conteúdo de ilustrações como gráficos e tabelas, deve ser utilizada fonte de tamanho 10.

O uso de estilos especiais também têm um padrão a ser seguido:

  • As aspas devem ser usadas para destacar transcrições de textos;
  • O estilo itálico deve ser usado para destacar palavras ou frases em língua estrangeira;
  • Negrito deve ser utilizado para destacar palavras de efeito e expressões principais num parágrafo;
  • O estilo sublinhado deve ser usado para destacar links para materiais disponíveis na internet.

18 Citações

As citações de até 3 linhas não exigem uma formatação especial, devendo ser inseridas no parágrafo em que são referidas e identificadas apenas por aspas, sem alterações no tamanho e estilo da fonte.

Já as citações com 4 linhas ou mais devem ser formatadas em parágrafo especial, com recuo entre 4 e 6 cm da margem esquerda, em fonte tamanho 10 e sem o uso das aspas.

A referência ao autor deve ser feita logo após o ponto final, pelo sistema autor-data ou sistema numérico, explicado a seguir. ( Item 21)

19 Notas de rodapé

As notas de rodapé, que servem para a inclusão de informações e explicações não essenciais para a compreensão do texto principal da monografia, também têm suas regras de utilização definidas pelas normas ABNT.

Elas também devem ser em fonte de tamanho 10 e, caso possua citação, ela deverá seguir esse mesmo formato, independentemente do número de linhas, sendo iniciada e encerrada por aspas.

20 Conclusão

Finalizando os elementos textuais da monografia, temos a conclusão. Nesta parte, deve-se apresentar as conclusões do trabalho de acordo com os objetivos e hipóteses abordadas na introdução, sendo possível reconhecer as limitações da monografia e apontar a necessidade de novas pesquisas e investigações sobre o tema.

Elementos pós-textuais nas normas ABNT

21 Referências

É nesta parte que as normas ABNT exigem que você identifique todos os autores e obras utilizadas para a produção do seu trabalho. Para isso, existem dois sistemas de referências que podem ser utilizados: o sistema autor-data e o sistema numérico.

Para decidir qual dos dois sistemas você deve usar, é bom consultar sua instituição de ensino para saber qual é o padrão adotado por ela. Em todo caso, abaixo apresentamos os dois modelos e suas características.

22 Sistema Autor-data

No sistema autor-data, as referências devem ser apresentadas em lista ao final do trabalho, organizadas em ordem alfabética, orientadas pelo sobrenome do autor da obra utilizada.

Além disso, em citações diretas, você também precisa referenciar o autor e a obra utilizada no momento da citação, portanto, uma boa dica aqui é sempre inserir e organizar as referências enquanto se escreve o trabalho.

Em casos de citação indireta você precisa apenas informar o último sobrenome do autor e o ano de publicação da obra.

Já para citações diretas curtas e longas, você precisa informar o sobrenome do autor, o ano e a página da qual você retirou aquela citação.

Deste modo, as referências nas citações ficam assim:

  • Na citação indireta:

Segundo o AUTOR (2016) ou (AUTOR, 2016)

  • Na citação direta curta e longa:

Segundo o AUTOR (2016, p. 21) ou (AUTOR, 2016, p. 21)

  • Na lista de referências:

SOBRENOME, Nome do Autor. Título: subtítulo. Cidade: Editora, Ano.

23 Sistema Numérico

No sistema numérico, as referências são listadas de acordo com sua ordem de aparição no texto e identificadas por algarismos arábicos.

Neste caso, elas podem aparecer no rodapé de cada página, no final de cada capítulo ou no final do trabalho.

  • A referência da citação no sistema numérico fica da seguinte maneira:

Segundo o AUTOR¹

  • A referência na lista de referências fica assim:

¹SOBRENOME, Nome do Autor. Título: subtítulo. Cidade: Editora, Ano.

24 Formatação das Referências

Cada tipo de material utilizado para a elaboração da monografia tem um estilo de formatação próprio que deve ser seguido.

Esse estilo é o mesmo tanto para o sistema autor-data quanto para o sistema numérico, portanto independe do modelo de referências adotado.

Desta forma, cada material de consulta, como livros, artigos, sites, reportagens e outros tipos de documentos, tem uma maneira específica de ser referenciado ao final do trabalho.

Para facilitar esse trabalho, abaixo mostramos os tipos mais comuns de referências:

24.1 Livros

  • Um autor

SOBRENOME, Nome. Título. Edição (quando houver). Cidade: Editora, Ano.

Exemplo:

DINA, Antonio. A fábrica automática e a organização do trabalho. 2. Ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

  • Dois autores

SOBRENOME, Nome; SOBRENOME, Nome. Título. Edição (quando houver). Cidade: Editora, Ano.

Exemplo:

SÓDERSTEN, Bo; GEOFREY, Reed. International economics. 3. ed. London: MacMillan, 1994.

  • Três autores

SOBRENOME, Nome; SOBRENOME, Nome; SOBRENOME, Nome. Título. Edição (quando houver). Cidade: Editora, Ano.

Exemplo:

NORTON, Peter; AITKEN, Peter; WILTON, Richard. Peter Norton: a bíblia do programador. Tradução: Geraldo Costa Filho. Rio de Janeiro: Campos, 1994.

  • Mais de três autores

SOBRENOME, Nome, et al. Título. Edição (quando houver). Cidade: Editora, Ano.

Exemplo:

BRITO, Edson Vianna, et al. Imposto de renda das pessoas físicas: livro prático de consulta diária. 6. ed. atual. São Paulo: Frase Editora, 1996.

24.2 Dissertações e teses

AUTOR. Título: subtítulo. Ano de apresentação. Número de folhas ou volumes. Categoria (Grau e área de concentração) – Instituição, local.

Exemplo:

RODRIGUES, M. V. Qualidade de vida no trabalho. 1989. 180 f.. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1989.

24.3 Artigo de revista

AUTOR DO ARTIGO. Título do artigo. Título da Revista, (abreviado ou não) Local de Publicação, Número do Volume, Número do Fascículo, Páginas inicial-final, mês e ano.

Exemplo:

ESPOSITO, I. et al. Repercussões da fadiga psíquica no trabalho e na empresa. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v. 8, n. 32, p. 37-45, out./dez. 1979.

24.4 Artigo de jornal

AUTOR DO ARTIGO. Título do artigo. Título do Jornal, Local de Publicação, dia, mês e ano. Número ou Título do Caderno, seção ou suplemento e, páginas inicial e final do artigo.

Exemplo:

OLIVEIRA, W. P. de. Judô: Educação física e moral. O Estado de Minas, Belo Horizonte, 17 mar. 1981. Caderno de esporte, p. 7.

24.5 Artigo de periódico online

AUTOR. Título do artigo. Título da publicação seriada, local, volume, número, mês ano. Paginação ou indicação de tamanho. Disponível em: <Endereço.>. Acesso em: data.

Exemplo:

MALOFF, Joel. A internet e o valor da “internetização”. Ciência da Informação, Brasília, v. 26, n. 3, 2014. Disponível em: <http://www.ibict.br/cionline/>. Acesso em: 18 maio 2015.

24.6 Referência de Site

AUTOR. Título. Informações complementares (Coordenação, desenvolvida por, apresenta…, quando houver etc…). Disponível em:. <Endereço>. Acesso em: data

Exemplo:

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Biblioteca Universitária. Serviço de Referência. Catálogos de Universidades. Apresenta endereços de Universidades nacionais e estrangeiras. Disponível em: <http://www.bu.ufsc.br>. Acesso em: 19 maio 2016.

Para facilitar todo este trabalho de formatação da monografia nas normas ABNT e evitar erros que podem te fazer perder pontos no TCC, utilize o Mettzer!

Ele te ajuda nessa tarefa por ser um editor acadêmico que já formata seu trabalho de acordo com as normas e ainda conta com outras vantagens, como lembretes de metas, notificação por e-mail, acesso remoto e orientação online!

Resumo
Artigo
Normas ABNT: o guia completo com tudo o que você precisa saber
Descrição
Conheça os detalhes das Normas ABNT e aprenda como formatar seu TCC, artigo ou monografia. Não tenha mais medo de perder notas por formatação.
Autor
Publicador
Mettzer

13 comentários sobre “Normas ABNT: o guia completo com tudo o que você precisa saber”

  1. Queria saber como faço para bloquear o acesso de rackeers no meu computador pois os mesmos mudam minhas configurações das normas ABNT

  2. Tenho uma grande dúvida, eu To citando um texto de forma direta, porém as palavras não estão dentro da lei ortográfica atual, exemplos, a palavra sequência ainda está com o trema assim (seqüencia) o que devo fazer, não precisa se preocurar já que é uma citação, tenho que pôr em itálico, entre aspas, me ajuda pfvr 🙏🏻

    1. Oi Rayana, tudo bem?

      Não precisa se preocupar que não estão, pois como você está citando um autor e fazer a referência a ele. Seu orientador e professores da banca vão entender que é uma cópia do conteúdo original. SObre a citação, você não precisa colocar em itálico não.
      Abraços

  3. Boa Noite!
    Gostei do assunto, no entanto,gostaria de saber se vc teria material ilustrando normas ABNT para Instituições de Ensino do CRECISP- Cofeci, da área de Avaliadores de Imóveis, quando da execução do PTAM (Parecer Técnico de Avaliação Mercadoloógica).
    Sou Corretora de Imóveis, CRECI 170412-F, CNAI 19326, Perita Judicial
    Obrigada

    1. Oi Geraldina, tudo bem?

      Infelizmente não vamos conseguir te ajudar. 🙁

      Nosso foco são apenas trabalhos acadêmicos, como monografias e artigos.

      Abraços

  4. Ola! Gostaria de saber se existem regras especificas para listas, que sejam numeradas ou não (bullet or number).

    Também, como não uso Word (que acho pésssssssimo) mas Adobe Indesign, queria saber, entrelinha de 1,5 seria 18pt (considerando font de tamanho 12pt)?

    Obrigado e até mais!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.