Quer aprender a fazer um grupo focal no seu trabalho?

5
(2)

Confira as dicas para fazer um grupo focal no seu trabalho acadêmico.


Se você precisa fazer um grupo focal e não sabe como começar, chegou a hora de aprender.

Bom, vamos lá. Como começar? 🙂

O que é grupo focal?

O grupo focal é um procedimento de metodologia de pesquisa, de abordagem qualitativa, em grupo. Ou seja: o foco do procedimento é entender motivos e comportamentos de fenômenos.

Isso quer dizer que os métodos de abordagem qualitativa buscam entender o porquê das coisas.

De forma geral, a definição de grupo focal baseia-se na interação social entre pessoas com características comuns, para analisar opiniões sobre situações, serviços e produtos referentes ao tema do trabalho.

Em outras palavras, analisa-se a discussão de um conjunto de pessoas sobre o tema que é objeto de estudo.

A discussão conta com a participação de uma pessoa moderadora, que é uma pesquisadora com embasamento técnico e teórico para interpretar as respostas de participantes.

Exemplo de grupo focal

Vamos aos exemplos para você compreender melhor.

Exemplo 1

Uma dissertação que quer entender quais são os efeitos de dois tipos de embalagem de cereais em seus consumidores.

Exemplo 2

Além de um procedimento dentro do método científico, utiliza-se os grupos focais para fazer pesquisas de mercados, como para testar um novo produto, por exemplo.

Exemplo 3

Uma pesquisa que quer entender os efeitos psicológicos de realizar um abordo para mulheres entre 20 e 25 anos na cidade de Florianópolis

Qual é a função de grupo focal?

A função do grupo focal é coletar informações sobre um tema específico, que seja de interesse em uma pesquisa.

Um ponto interessante do grupo focal é compreender perspectivas diferentes sobre uma mesma questão.

Como fazer grupo focal?

Se você quer aplicar esse procedimento, confira nosso guia:

1. Defina o problema de pesquisa

O grupo focal deve tratar de um tema específico e ter origem em um problema de pesquisa. Esse, portanto, é o primeiro passo: definir qual é o problema de pesquisa.

2. Escolha os (as) participantes

O grupo focal deve contar com a participação de pessoas que interessam à pesquisa. Isso quer dizer que talvez sejam pessoas com características comuns, em um grupo mais homogêneo, ou pessoas diferentes, para alcançar a todas as variáveis.

Quer dizer, participantes podem variar de gênero, idade, profissão, nível socioeconômico. O único fato em comum obrigatório é que devem fazer sentido para a pesquisa.

A metodologia indica que participantes não se conheçam, nem tenham uma relação anterior. Isso porque o fato de se conhecerem podem interferir nas manifestações e interações.

Deve-se escolher participantes a partir da seguinte pergunta: quem pode passar as informações necessárias para a pesquisa?

Em regra, os grupos focais contam com 6 até 8 pessoas. Entende-se que mais de 8 pessoas em um grupo comprometem a qualidade do diálogo.

3. Escolha as pessoas observadoras

As pessoas que vão observar o grupo focam devem ser pessoas que têm conhecimento do trabalho.

Afinal de contas, devem registrar – com gravações de voz e anotações – as informações importantes para a pesquisa.

4. Escolha a pessoa moderadora

A pessoa moderadora deve estabelecer e zelar por um ambiente de confiança no grupo. Isso porque as pessoas precisam se sentir confortáveis para interagir com o máximo de espontaneidade.

Uma boa facilitação compreende uma escuta ativa da moderadora. Isso não significa que a pessoa deve ficar calada. Pelo contrário, deve inserir novas questões, direcionar o debate, explorar e aprofundar a discussão.

5. Planeje a discussão

Você também precisa estruturar um roteiro de pesquisa, com as questões que você precisa saber para desenvolver o trabalho.

Planejar a discussão é importante para direcionar a conversa para o fluxo da estrutura do trabalho. Mas, por outro lado, o roteiro não deve engessar a conversa.

Além do mais, as perguntas são semiestruturadas. Ou seja: deve-se fazer perguntas com respostas abertas, não apenas “sim” ou “não”.

É possível que o roteiro sofra algumas alterações ao longo dos encontros. Isso acontece para se ajustar à dinâmica do grupo.

6. Analise os resultados

Por fim, você deve analisar os resultados da pesquisa. Com a autorização de participantes, você pode gravar a conversa. Isso facilitará bastante no momento da análise.

O objetivo é, portanto, verificar novas percepções sobre o tema, com o objetivo principal de responder ao problema de pesquisa.

Formatação automática de trabalhos nas normas da ABNT

Pois bem. Independente do tipo de trabalho – seja uma monografia, um TCC, uma dissertação ou uma tese de doutorado, você pode esquecer de formatar seu trabalho nas normas da ABNT.

Mas nisso você não precisa se preocupar, porque, a Mettzer pode te ajudar.

O Mettzer é o melhor editor de textos do mercado, que formata, de forma automática, qualquer trabalho nas normas ABNT e nas normas APA.

Apresentação Geral - Mettzer
Visão geral do editor de texto da Mettzer

Assim, você ganha tempo e tranquilidade e pode se dedicar exclusivamente à pesquisa.

Se interessou? Faça um teste gratuito agora mesmo.

O que você achou disso?

Mande corações

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Junte-se aos mais de 750 mil estudantes que usam o Mettzer todos os dias

Das anotações de aulas até a tese de doutorado

Você nem precisa cadastrar o cartão para testar!

Contato


Parque Tecnológico Alfa – módulo 10, SC-401 – João Paulo, Florianópolis – SC, 88030-000
suporte@mettzer.com

Recursos



A plataforma que ajuda estudantes, pesquisadores e universidades a desenvolver pesquisas e trabalhos acadêmicos.