Método comparativo: crie comparações para entender o que as coisas são (e o que não são!)

compartilhe

Entenda o que é, quais são os tipos e para quê serve o método comparativo. Além disso, como aplicar e os exemplos desse método.


Sumário

  1. O que é método comparativo?
  2. Onde é possível aplicar o método comparativo?
  3. Histórico do método comparativo
  4. Objetivo do método comparativo
  5. Tipos de métodos comparativos
  6. Para quê serve o método comparativo?
  7. Como aplicar o método comparativo em seu trabalho?
  8. Exemplo de método comparativo
  9. A Mettzer pode te ajudar a fazer seu trabalho

A verdade é que a fazer comparações faz parte do dia a dia das pessoas em diferentes contextos. Você mesmo já deve ter feitas muitas comparações diferentes hoje.

O que talvez você não saiba é que, através das comparações, é possível construir novos conhecimentos científicos e contribuir para o avanço da ciência.

Esse artigo vai explicar o que é o método comparativo, a partir do seus objetivos, seu histórico e seus tipos. Em seguida, vai explorar os exemplos de pesquisas que usaram esse método e como você deve fazer para aplicar no seu trabalho.

Vamos lá?

O que é método comparativo?

Para começar, é fundamental entender o que é método comparativo. De forma geral, o método comparativo compreende em estabelecer paralelos entre dois ou mais objetos de estudo, para analisar semelhanças e diferenças.

Em outras palavras, é um método para comprovar ou refutar teorias e hipóteses que se baseia em comparações.

Nas ideias de Silveira, o método comparativo se baseia “[…] no método das semelhanças e das diferenças ou na observação de variações concomitantes“.

Nesse perspectiva, no processo de comparação, identificar as semelhanças permite organizar e relacionar o novo conceito com o conhecimento que já existe.

Por outro lado, estabelecer as diferenças permite discriminar o novo conceito de outros parecidos, para evitar confusão.

Onde é possível aplicar o método comparativo?

A partir de seu rigor metodológico, aplica-se o método comparativo em pesquisas científicas. Ou seja, a partir desse método, é possível chegar em novos conhecimentos que têm validade científica.

Sendo assim, é amplamente utilizado nas Ciências Sociais e nas Ciências Naturais.

Nas Ciências Naturais, é bastante comum usar o método comparativo para estabelecer leis gerais sobre um fenômeno, a partir da comparação ente indivíduos ou grupos.

Nas Ciências Sociais, criam-se comparações entre sistemas de diferentes culturas, regiões ou países. Então, por exemplo, o direito comparado procura encontrar diferenças entre sistemas jurídicos de diferentes lugares.

Na pedagogia, cria-se comparações entre planos de educação. Na política comparada, as comparações atingem os sistemas políticos.

E economia tem um subcampo específico denominado comparativo. Em geral, é um subcampo que estuda dois ou mais sistemas de organização econômica, para buscar tanto semelhanças quanto diferenças.

Um exemplo comum disso é a análise econômica no momento posterior à Segunda Guerra Mundial, em que o mundo se divida entre capitalistas (Estados Unidos) e socialista (URSS).

Histórico do método comparativo

O método comparativo surgiu a partir do desenvolvimento da Sociologia. As pessoas autoras usavam a comparação como instrumento para criar explicações e generalizações.

Nessa perspectiva, Durkheim, Comte Weber foram os primeiros a aplicar o método comparativo na sociologia.

No entanto, um pouco antes de Durkheim, em seu livro A System of Logic, de 1881, Stuart Mill já concebeu duas possibilidades aplicáveis à comparação de fenômenos, denominando-as de método da concordância e método da diferença.

Além do mais, colocando em discussão “o outro“, a antropologia também usou o método comparativo para valorizar a diferenciação, a diversidade e o papel que essas categorias assumem na história da espécie.

Objetivo do método comparativo

Sendo assim, o objetivo do método comparativo é usar a comparação – através das semelhanças ou das diferenças – para chegar em novos conhecimentos.

Assim, através das comparações, é possível construir correlações e conceitos novos.

Se aliado ao método histórico, é possível fazer comparações entre dados do presente com dados do passado.

Tipos de métodos comparativos

Os tipos de métodos comparativos se resumem através dos dois primeiros – dos cinco métodos indutivos – de John Stuart Mill: método da concordância e o método da diferença.

Método da concordância

O método da concordância consiste em estudar quais as características coincidem entre os dois ou mais objetos de estudo. Ou seja:

  • Estudar as semelhanças em casos semelhantes entre si.
  • Estudar as semelhanças em diferentes casos.

Na concepção de John Stuart Mill, “se dois ou mais casos do fenômeno objeto da investigação têm apenas uma circunstância em comum, essa circunstância única em que todos os casos concordam é a causa (ou o efeito) do fenômeno”.

Método da diferença

O método da diferença, por sua vez, compreende o estudo das características que diferem os dois ou mais objetos de estudo.

Na prática, isso significa:

  • Estudar as diferenças em casos semelhantes entre si.
  • Estudar as diferenças em casos diferentes uns dos outros.

Sobre o método da diferença, Mill definiu: “se um caso em que o fenômeno está sob investigação ocorre e um caso em que não ocorre têm todas as circunstâncias em comum menos uma, ocorrendo esta somente no primeiro, a circunstância única em que os dois casos diferem é o efeito, ou a causa, ou uma parte indispensável da causa, do fenômeno”.

Para quê serve o método comparativo?

Dessa forma, o método comparativo serve para criar paralelos com outros temas e descobrir dados para compreender melhor o objeto de estuo.

Através de comparação por semelhança, é possível criar probabilidades de fenômenos nos casos semelhantes.

De todo modo, as comparações ajudam a criar contextualizações em relação ao entorno ou ao grupo. Ou seja, através das semelhanças e diferenças, é possível entender onde o objeto está localizado.

Em resumo, a comparação é extremamente útil para gerar novas ideias e novos conceitos.

Como aplicar o método comparativo em seu trabalho?

Aqui está um passo a passo para aplicar o método comparativo em um trabalho:

  1. O primeiro passo é entender, a partir do tema e problema de pesquisa, quais os objetos de estudo vão ser comparados.
  2. Em seguida, é importante definir a razão e o propósito de usar o método de comparação para chegar no objetivo do trabalho.
  3. Depois, deve-se identificar os elementos dentro e fora do tema podem ser comparados com outros — seja a partir de semelhanças ou diferenças.
  4. A partir disso, é a hora de construir os critérios e parâmetros de comparação. Para cada comparação, você deve decidir qual é a comparação: semelhanças, diferenças ou ambos.
  5. Agora é hora de colocar a mão na massa e coletar as informações sobre os parâmetros.
  6. Por fim, deve-se criar os contrastes entre as informações a partir dos parâmetros dos diferentes elementos e formular as conclusões finais.

Exemplo de método comparativo

Pois bem. Vamos exemplos para compreender melhor o conceito do método.

Pense no seguinte objetivo geral de uma pesquisa: identificar qual é o remédio que cura a doença X. Para isso, através do método comparativo, é possível:

  • Identificar quais drogas combinam entre si em vários tratamentos semelhantes.
  • Identificar quais drogas coincidem em vários tratamentos diferentes entre si.
  • Quais remédios são diferentes em vários tratamentos semelhantes entre si.
  • Quais drogas são diferentes em vários tratamentos diferentes entre si.

Outro exemplo é imaginar dois países diferentes: o país A e o país B. A partir de comparação, é possível comparar os principais indicadores macroeconômicos desses lugares como, por exemplo, PIB e IDH.

A Mettzer pode te ajudar a fazer seu trabalho

Não sei se você sabe, mas a mettzer é um ferramenta que pode te ajudar na sua vida acadêmica.

Para começar, você precisa pesquisar suas referências bibliográficas em uma base de dados confiável e bem qualificada. Imagina só usar fake news no seu referencial teórico, né?

Mas eu tenho uma boa notícia: a gente pode te ajudar nisso.

A plataforma da Mettzer une duas características fundamentais para desenvolver pesquisas: facilidade no acesso e segurança das informações.

Isso porque, através do Hub da Mettzer, é possível procurar bibliografias  e referências bibliográficas para usar como fonte de pesquisa.

Para pesquisar no Hub, você precisa digitar as palavras-chave sobre o tema que você quer pesquisar. Assim como uma pesquisa no Google.

Pronto! Nós te apresentamos uma lista de trabalhos sobre esse tema para te ajudar.

Muito além da facilidade de pesquisar, todos resultados da Mettzer são trabalhos construídos na própria plataforma. Quer dizer, você pode confiar.

E a melhor parte: o Hub da Mettzer é completamente livre e gratuito. Você pode usar e pesquisar quantas vezes quiser. Sem pagar nada 🙂

Além disso, a plataforma da Mettzer é integrada ao Google Books. Então, você pode simplesmente pesquisar pelo nome da pessoa autora ou título do livro no gerador de referências.

Nós encontramos o livro na base de dados e gerados a referência conforme as normas da ABNT. Como de costume, de forma automática.

É que, não sei se você já sabe, mas o editor de texto da Mettzer formata todo trabalho de forma automática nas normas da ABNT.

Faça um teste gratuito por 7 dias. E nem precisa cadastrar o cartão para experimentar 🙂

Referências

Mill, John Stuart. Sistema de Lógica Dedutiva e Indutiva. São Paulo: Abril Cultural (Coleção Os Pensadores), 1974.

SILVEIRA, E. C. C. Metodologia Comparada: repensando sua relevância na construção da identidade latino-americana. Disponível em: www.sbec.org.br/evt2003/trab36.doc. Acesso em 20 de dezembro de 2022.

compartilhe

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Teste agora nosso editor que formata trabalhos nas Normas da ABNT e APA

Modelos customizáveis de acordo com sua universidade