ISSN – O código internacional de publicações seriadas

Compartilhe esse post:

ISSN é a sigla de International Standard Serial Number. Significa, em português Número Internacional Normalizado para Publicações Seriadas.


1- O que é o ISSN?

ISSN é a sigla de International Standard Serial Number. Significa, em português Número Internacional Normalizado para Publicações Seriadas.

Você provavelmente já deve ter escutado falar, ou melhor, lido em algum lugar, sobre o ISSN.

Especialmente para quem está publicando revistas científicas, anais de eventos ou mesmo uma série de livros, é importante saber mais a fundo sobre esse código.

Além disso, conhecer o código nos traz mais facilidade para utilizá-lo a nosso favor, como, por exemplos, em citações e referências bibliográficas.

Especialmente para quem está trabalhando no TCC, monografia ou qualquer trabalho acadêmico que posteriormente será inserido no currículo lattes.

Pensando nisso, escrevemos esse conteúdo especial e completo, elaborado com base em informações oficiais do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia.

Se refere a um sistema internacional padronizado de publicações seriadas.

Assim, ele identifica numericamente os livros segundo o título, o autor, o país, a editora, individualizando-os inclusive por edição.

Assim, é um código identificador utilizado internacionalmente para títulos de publicações seriadas. A exemplo de revistas, anais de eventos ou séries monográficas.

É, portanto, exclusivo para um título específico e contínuo em uma determinada mídia de publicação.

Além disso, pode ser utilizado também para identificar software.

Porquanto seu sistema numérico é convertido em código de barras, o que elimina barreiras linguísticas e facilita a sua circulação e comercialização.

Exemplo: ISBN 85-900114-1-0

Utilização do código

O código é intransferível porque diz respeito a um determinado título.

Devendo constar em cada exemplar da série, acompanhando as publicações durante toda sua existência.

Por exemplo, uma revista tem um código para o seu título e cada exemplar seguinte deve apresentar o mesmo referente a esse título, não sendo necessário um ISSN diferente para cada edição.

Deste modo as editoras, livrarias, bibliotecas e demais instituições que trabalham com publicações seriadas conseguem ter um maior controle sobre suas publicações.

Deste modo, seu uso facilita a identificação mais rápida, com maior produtividade e precisão.

Assim, ele também pode ser atribuído a publicações online, desde que já tenham o primeiro fascículo disponível na internet.

Outros formatos como anais de congressos, seminários, encontros etc, também podem ter um ISSN.

Porém, páginas especiais, como folders e cartazes, mesmo que de eventos científicos, não recebem o código.

Apesar de o uso não ser obrigatório, ele garante ao editor uma visibilidade qualificada ao seu produto.

Para os usuários dos periódicos, o ISSN torna mais fácil a busca e recuperação do mesmo nas Bases de Dados de Informação Científico-Tecnológica.

Ainda que haja mudanças na nomenclatura ou periodicidade do periódico ao longo do tempo.

Como solicitar o código?

A solicitação do ISSN é realizada online, no site do IBICT, na seção do Centro Brasileiro do ISSN.

É necessário possuir os requisitos que descrevemos, preencher o formulário e enviar a documentação exigida para a sede do Centro Brasileiro do ISSN.

O que são publicações seriadas?

Falamos no começo, e até mesmo no título, que o ISSN é um código de publicações seriadas, então é necessário entender o que significa isso.

Segundo a ABNT é uma “Publicação, em qualquer suporte, editada em partes sucessivas, com conteúdo corrente, designação numérica e/ou cronológica e destinada a ser continuada indefinidamente.”

Isso inclui uma variedade ampla de publicações.

Como periódicos, magazines, jornais diários, anuários, memórias, anais de congressos, publicações de sociedades, séries monográficas e suplementos independentes.

Deste modo, a publicação seriada é editada em partes sucessivas que pretende ser continuada indefinidamente, podendo ser publicada em qualquer suporte (físico e/ou eletrônico).

2- Quais as vantagens de se ter um ISSN?

Embora não seja obrigatório, o ISSN é um parâmetro para o controle de qualidade de revistas científicas e também um ótimo critério de indexação em base de dados nacionais e internacionais.

Desta forma, o sistema do ISSN é internacional e único.

Portanto seu uso pode identificar qualquer publicação seriada.

Independente de seu idioma ou país de origem fazendo a distinção entre publicações seriadas com o mesmo nome ou títulos semelhantes.

Especialmente é usado onde a informação sobre publicações seriadas necessita ser registrada e comunicada com precisão.

Proporcionando um método eficiente e econômico de comunicação entre editores, fornecedores e compradores de publicações seriadas.

Além de proporcionar pontos de acesso úteis aos catálogos de editores, diretórios comerciais, inventários automatizados, bibliografias, etc.

Sua ampla utilização inclui as bases de dados automatizadas na organização, recuperação e transmissão de dados sobre publicações seriadas.

Além da utilização por bibliotecas para identificar, ordenar e processar títulos de publicações seriadas.

Publicações que têm ISSN fazem parte dos registros de publicações seriadas mantido pelo Centro Internacional do ISSN, em Paris.

3- Um breve histórico do ISSN

Para quem deseja aprofundar ainda mais o conhecimento, é bom saber um pouco das razões que levaram a criação do código e o seu histórico.

Desta forma, o ISSN foi desenvolvido na década de 1970, oficializado pela ISO (International Organization for Standardization) em 1998.

Além de ser posteriormente revisado, em 2007, para atender a necessidade de uma identificação breve, única e inequívoca para publicações em série.

O ISSN surgiu alguns anos depois do ISBN, sistema que funciona de maneira muito parecida para a identificação de livros.

As regras do ISSN foram desenvolvidas de forma a ser compatíveis com outros padrões internacionais.

O ISBN, diferentemente do ISSN, não distingue publicações seriadas, função que foi atribuída ao ISSN quando foi oficializado anos depois, mas entraremos neste detalhe abaixo.

Quem é responsável por atribuir o ISSN?

A atribuição foi delegada ao Centro Internacional ISDS (Sistema Internacional de Dados das Publicações em Série) através da ISO 3297:2007 desde 1993.

No Brasil, ele é representado pelo Centro Brasileiro do ISSN (CBI), parte do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT).

A rede ISSN é intergovernamental, representada por 89 centros nacionais e regionais em todo o mundo e comandada pelo Centro Internacional do ISSN em Paris.

Desta forma, o sistema de coordenação internacional assegura que cada ISSN seja único para cada publicação.

A Rede ISSN é uma organização intergovernamental representada por 89 centros nacionais e regionais, em todo o mundo.

Criada em 1971, com o apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e Cultura (Unesco).

Além de implantada três anos mais tarde para apoiar o controle bibliográfico mundial de publicações seriadas, por meio do ISSN enquanto código único.

A Rede ISSN é coordenada pelo Centro Internacional do ISSN, com sede em Paris.

Possuindo, em todo o mundo, mais de 2 milhões de títulos de publicações seriadas identificadas com esse código.

Deste modo, se constitui a mais completa e abrangente fonte de informação sobre publicações seriadas.

Ademais, em relação ao Centro Nacional, desde 1975 o IBICT vem desenvolvendo as funções de Centro Nacional da Rede ISSN.

Em 1980, o IBICT se estabeleceu como Centro Brasileiro do ISSN, por meio de acordo firmado com o CNPq.

Assim, o IBICT passou a ser o único membro no Brasil responsável pela atribuição do código ISSN.

4- Principais características do identificador

O conhecimento de algumas características é fundamental antes de solicitar o ISSN.

É importante saber que um ISSN é intransferível, não pode, portanto, ser utilizado por outro título.

Além disso, quando a publicação seja editada em diferentes idiomas cada uma delas deverá ter seu próprio ISSN. Exceto as publicações multilíngues.

Também, para publicação online em diferentes idiomas, caso se utilize a mesma URL, será atribuído um único ISSN.

O ISSN  nunca é atribuído à páginas ou a outras peças promocionais de eventos. Neste caso, um único ISSN será atribuído a todas as edições.

Além disso, a mudança na numeração do evento não é considerada alteração de título, não sendo necessária a atribuição de novo ISSN;

Neste mesmo sentido, folders, cartazes, hotsites e blogs de Anais de Congressos, Seminários e Encontros não recebem ISSN.

Quando uma publicação com o mesmo título é editada de forma física e eletrônica, cada uma deverá receber um número novo de ISSN.

Caso a publicação traga outras físicas, como impressa acompanhada de CD-ROM e/ou gravação de vídeo, por exemplo, um único ISSN será atribuído à publicação.

Um novo ISSN deve ser atribuído sempre que ocorrer alteração no título do periódico, inclusive a alteração no idioma do título.

Neste mesmo caso se enquadram as alterações do tipo de suporte, físico ou eletrônico. Que é o caso de quando uma revista impressa torna-se uma revista online, por exemplo.

5- Como é construído o código de barras para as publicações seriadas?

Código de barras é uma representação gráfica de dados numéricos ou alfanuméricos.

O leitor de código de barras decodifica os dados como um scanner, emitindo um raio vermelho que percorre todas as barras.

Este código é o EAN-13. Ele codifica treze números, divididos em quatro partes. Destes treze dígitos, doze são dos dados referentes ao produto e um é o dígito verificador.

O código de barra para publicações seriadas é representado em formato EAN com dois dígitos acrescentados.

Entretanto, o Centro Brasileiro do ISSN está relacionado apenas à identificação de títulos de publicações seriadas, e não o código de barras.

Exemplo de código de barras com ISSN

 

6- Quais são as publicações que recebem ou não recebem o ISSN?

Caso você tenha lido até aqui e ainda tem dúvidas quanto às publicações que recebem ou não recebem o ISSN, veja essa lista detalhada abaixo:

Publicações que recebem o código

Todas as publicações seriadas em qualquer suporte (físico e/ou eletrônico). Incluindo:

  • Periódicos: publicações de conteúdo técnico-científico com informações baseadas em resultados experimentais.
  • Monografia Seriada: conjunto de obras ou documentos independentes que relacionam-se entre si mediante um título comum.
  • Suplemento independente: quando tem título e identificação próprios (número de volume e fascículo, data) e consequentemente o seu código ISSN.
  • Número especial independente: aquele que possui título próprio e também paginação e identificação próprias (volume, fascículo, mês, ano).

Publicações que não recebem

  • Web sites comerciais, páginas pessoais na Web, páginas da Web que contenham apenas links para outras URLs;
  • Publicações em PDF, cuja página (URL), seja disponibilizada com a extensão PDF;
  • Folders, cartazes, hotsites e blogs;
  • Publicações impressas do tipo: agendas, manuais, cartazes, livros, material didático, publicações com periodicidade definida, calendários e catálogos de exposição.

Perceba que alterações como mudança de editora, local de publicação, frequência e política editorial não resultam em atribuição de novo ISSN

Critérios para a atribuição para sites

O código identificador pode ser atribuído em sites.

Entretanto, o site deverá conter conteúdo editorial. Além de mencionar a responsabilidade editorial por meio do nome do editor e ter um título uniforme e uma URL válida.

Ademais, deverá atender à um assunto específico ou abordar um público-alvo específico.

7- Diferenças entre ISSN, ISBN, DOI e ORCID

A principal dúvidas geralmente está relacionada aos dois primeiros, e não por acaso, porque eles realmente se parecem muito.

Objetivamente, enquanto o ISSN é atribuído somente às publicações seriadas, o ISBN é atribuído a livros ou outras publicações monográficas.

Para deixar ainda mais claro, preparamos um quadro sintetizado com os quatro identificadores:

diferença entre doi, issn, isbn e orcid

8- Formatação automática de artigos e trabalhos científicos

Pensando em otimizar ainda mais a sua produção acadêmica você pode contar com o Mettzer.

O nosso editor de texto formata automaticamente qualquer trabalho acadêmico nas normas da ABNT, além de garantir que seu trabalho sempre estará salvo e seguro.

Finalmente podemos escrever nossos conteúdos sem preocupações com pequenos detalhes e formatos.

Faça um teste gratuito agora mesmo!

Resumo
Artigo
ISSN - O código internacional de publicações seriadas
Descrição
Saiba tudo sobre o ISSN - International Standard Serial Number, o sistema internacional padronizado para publicações seriadas.
Autor
Publicador
Mettzer

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.