DOI (Digital object identifier): Saiba o significado e como fazer

Compartilhe esse post:

Você já prestou atenção em alguma ficha catalográfica? O DOI estava lá?

Ou precisou cadastrar algum documento digital em seu Currículo Lattes?

Até mesmo uma submissão de trabalho em periódico?

Bom, todas essas experiências têm um detalhe em comum, e você já deve saber qual é: isso mesmo, o DOI!

Tendo em vista que as produções científicas exigem um alto rigor de segurança, algumas normatizações são necessárias, como as conhecidas normas da ABNT, e também registros como DOI, ISSN e ISBN.

Mas afinal:

1- De onde vem o DOI?

A sigla D.O.I. se refere ao Digital Object Identifier, ou Identificador de Objeto Digital, em português.

Assim, ele é um registro para qualquer tipo de arquivo digital, trabalhos científicos, revistas, livros, imagens e até músicas que quando catalogados passam a ter um link permanente do documento digital publicado.

Como a maior parte dos documentos produzidos atualmente são disponibilizados em plataformas digitais o ISSN e ISBN já não estavam suprindo as necessidades de catalogação.

Portanto a necessidade de se criar o DOI adveio de toda a evolução tecnológica vivenciada nos últimos anos.

O que é?

Assim, o DOI é um identificador de conteúdos em ambiente digital, criado pela International DOI Foundation.

Aqui no Brasil, a plataforma lattes do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Ele utiliza o DOI como uma forma de certificação digital das produções bibliográficas registradas pelos pesquisadores em seus currículos lattes.

Além disso pode ser cedido para qualquer instituição/organização para uso em suas obras digitais.

O DOI é usado para oferecer informação corrente, incluindo onde tais objetos digitais ou suas informações podem ser encontrados na Internet.

Essas informações podem mudar a qualquer momento, incluindo o seu local, mas o DOI não mudará.

Como é formado o DOI?

O número é composto de duas partes:

  • Prefixo – Identifica o publicador do documento
  • Sufixo – Identificador emitido pela editora

Veja, por exemplo, o número: 10.1234/9876

Os dois componentes acima apresentam-se separados por uma “/”.

Como é formado o prefixo?

O Prefixo do DOI é o número referente a instituição ou a um determinado periódico desta instituição, e também possui dois componentes:

O primeiro componente é o número “10” e todo DOI começa com este número.

O segundo se refere à organização que possui um DOI.

Este poderá ter um único número ou números diferentes para cada periódico ou departamento da organização/instituição.

Ele também pode ser dividido em subprefixos, como por exemplo: 10.1000.10/123456.

Como é formado o sufixo?

O sufixo pode ser uma sequência numérica de caracteres escolhidos pelo Registrante ou simplesmente o número sequencial de um identificador existente.

Em casos de livros eletrônicos, o ISBN pode ser o sufixo do seu DOI: 10.1000/ISBN1-900512-44-0.

Embora os os editores possam usar diferentes esquemas, colocando número com letras e outros tipos de caracteres.

Perceba que o sufixo do DOI pode ser construído da maneira que a instituição desejar.

2- Diferença entre DOI, ISSN, ISBN e ORCID

Outra confusão bastante recorrente é sobre a diferença entre o DOI, o ISSN, o ISBN e o ORCID.

Conforme visto anteriormente, o DOI é um registro para qualquer tipo de arquivo digital, que passa a ter um link permanente do documento digital publicado.

O ISSN, Internacional Standard Serial Number, ou Número Internacional Normalizado para Publicações Seriadas.

Já, o ISBN, International Standard Book Number, que numa tradução livre significa algo como número de padrão internacional para o livro

De tal forma, o ORCID, Open Researcher and Contributor ID, é um identificador digital único, gratuito e persistente, que distingue um acadêmico/pesquisador de outro, resolvendo problemas relacionados à ambiguidade ou semelhança de nomes.

Assim sendo, organizamos o quadro abaixo para você conseguir identificar melhor:

Quadro comparativo

diferença entre doi, issn, isbn e orcid

Igualmente é bom que você saiba que um código não exclui ou tira a importância do outro.

Ou seja, uma revista científica pode criar o DOI, quando eletrônica, mas também precisará do código ISSN.

Desta mesma forma, um livro pode ser cadastrado no DOI, mas ainda necessita do número de ISBN.

Ainda, o código ORCID tem outra a intenção, a de identificar o pesquisador. Ele não deve ser confundido com os demais.

Por isso, quando livros ou artigos publicados em periódicos forem receber um código do DOI, utilizarão como sufixo o número que está no ISBN ou ISSN ou até nos seus dados bibliográficos.

3- Formatação automática de trabalhos acadêmicos

O mundo dos trabalhos acadêmicos e científicos é cheio de detalhes, né?

E o que você acha de um editor de texto que formata qualquer trabalho acadêmico, incluindo o TCC, de forma automática?

Faça um teste gratuito agora mesmo no Mettzer, o editor que formata automaticamente os trabalhos dentro das normas da ABNT!

Resumo
Artigo
DOI (Digital object identifier): Saiba o significado e como fazer
Descrição
Você sabia que todas produções científicas exigem um alto rigor de segurança? Códigos como o DOI são fundamentais neste processo. Veja neste post!
Autor
Publicador
Mettzer

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.