Tipos de conhecimento: conheça as quatro dimensões do saber

compartilhe

Publicado em: 02/03/2021 Por Beatriz Coelho | Atualizado em: 01/12/2023.

Quantas formas de conhecer e interpretar o mundo existem? Vem conhecer os 4 tipos de conhecimento e como se organizam 😉


Sumário

  1. O que é conhecimento?
  2. Tipos de conhecimento
  3. Formatação automática de trabalhos acadêmicos na ABNT
  4. Perguntas frequentes

“Eu li num anúncio, eu vi no espelho. Tá lá no evangelho, garantem os orixás. Consta nos autos, nas bulas, nos dogmas. Eu fiz uma tese, eu li num tratado. Mas se a ciência provar o contrário e se o calendário nos contrariar”.

Quantas formas de conhecer e interpretar o mundo existem? A ciência, o senso comum, as religiões, a filosofia… cada uma tem uma forma diferente de interpretar a realidade. 

Mas todas também têm um ponto em comum: o objetivo de organizar informações para explicar ou dar sentido ao mundo e às coisas. Todas essas áreas produzem algum tipo de conhecimento.

Quer dizer: ao contrário do que se pensa, a ciência não é a única forma de acesso ao conhecimento e à verdade.

Se você quer aprender um pouco mais sobre cada um desses tipos, está no lugar certo. Escrevi esse conteúdo pensando nisso. Você vai gostar de conhecer 🙂

O que é conhecimento

A palavra conhecimento tem origem no latim, da palavra “cognoscere“, que significa “ato de conhecer”

De forma simples, é possível dizer que conhecer é elaborar um modelo de realidade.

O conhecimento é, portanto, uma forma de compreender a realidade. Essa representação a realidade fundamenta-se nos sentidos e na percepção, na imaginação ou no intelecto; na ideia de verdade ou de falsidade.

A partir desses modos, as pessoas criam códigos de interpretação das coisas que existem. Estabelece-se, pois, uma relação entre o sujeito – que é aquele que conhece – e o objeto – que é aquilo a ser conhecido -.

Ao longo da história, as pessoas construíram muitas formas de conhecimento, como uma forma de dar sentido à própria vida e transmitir informações necessárias para sobrevivência da espécie.

Tipos de conhecimento

Os conhecimentos podem ser pensados a partir de quatro dimensões principais: científico, filosófico, religioso e empírico. Esses são os tipos de conhecimentos diferentes. Vamos conhecer um pouco mais sobre cada um?

Conhecimento científico

A palavra ciência vem do latim e significa conhecimento. A ciência representa todos os conhecimentos obtidos a partir de estudos e práticas, para encontrar solução de algum problema.

Para ser científico, o conhecimento deve ser validado e demonstrado através de investigações e experimentações. 

A conhecimento científico é o tipo de conhecimento passível de teste, racionalmente válido e justificável e que pode ser replicado e alcançado através de estudos, observações e experimentações.

A formação do conhecimento científico passa, de forma obrigatória, pela compreensão de que a ciência atende a um procedimento metódico cujo objetivo é conhecer, interpretar e intervir na realidade. 

Isto é, a conhecimento científico é composto principalmente por três elementos: a observação, a experimentação e as leis. Esse é, em linhas gerais, o método científico. 

Então, o conhecimento científico jamais será uma mera suposição, porque é um conhecimento obtido como resultado da aplicação do método científico

Ou seja: em linhas gerais, o conhecimento científico – a partir da pesquisa científica – leva em consideração um conjunto de procedimentos sistemáticos, que se apoiam no raciocínio lógico, e usa métodos científicos para encontrar soluções ou explicar algum tema.

Por ser um conjunto de procedimentos sistemáticos, a pesquisa científica pode ser classificada quanto à abordagem, à natureza, aos objetivos e aos procedimentos. Em relação à abordagem, por exemplo, a pesquisa pode ser qualitativa ou quantitativa. Mas você pode ler mais sobre os tipos de pesquisas científicas.

plataforma

Importância do conhecimento científico

O Brasil ocupa o nono lugar no ranking de publicações científicas no mundo. Na América Latina, nosso país ocupa o primeiro lugar. 

A ciência é fundamental para a construção, aquisição e manutenção do conhecimento. Aqui se encaixam os diversos tipos de pesquisa científica, como TCC, monografia, iniciação científica, dissertação e tese.

É por meio dessas pesquisas que podemos compreender o mundo em sua complexidade e solucionar problemas. Só assim encontramos possibilidades de transformar o mundo em que vivemos. Ou, pelo menos, de transformar algumas práticas do mundo.

O conhecimento científico que nos proporcionou, por exemplo, encontrar a cura de diversas doenças, a partir de novos medicamentos. Todas as vacinas de doenças foram alcançadas através da pesquisa científica.

Também é a partir da ciência que surgem novas tecnologias de proteção ambiental. É a partir da ciência que são feitas análises de impactos socioambientais. Ou, a invenção de um novo tipo de material que substitua um material poluente. Foram cientistas que descobriram como funciona o sistema solar e como funcionam os sistemas sociais. 

Quer dizer, ao responder a grandes perguntas e solucionar desafios importantes da sociedade, a ciência constrói conhecimento, melhora educação e a qualidade de vida das pessoas, reduzindo desigualdades e construindo pontes. 

Conheça a profissão dos cientistas e pesquisadores

Os cientistas e pesquisadores são pessoas que desenvolvem pesquisas, a partir de um método científico. Em outras palavras, a partir de uma metodologia, testam e comprovam hipóteses para chegar em conclusões nas diversas áreas do conhecimento. Ou seja, são as pessoas responsáveis por produzir e construir a ciência. 

Vincula-se a formalização da profissão de cientista ao processo de institucionalização da ciência no Brasil. O primeiro grande marco foi a criação do Conselho de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ), em 1951.

Quem trabalha com ciência deve ter um foco principal: produzir conhecimento científico. A conclusão do conhecimento científico deve ser algo aplicável na vida das pessoas.

A rotina desses profissionais inclui: desenvolver pesquisas, publicar artigos científicos, participar de eventos acadêmicos, ministrar palestras e realizar treinamentos.

Conhecimento filosófico

O conhecimento filosófico nasce a partir de reflexões que pessoas fazem sobre questões subjetivas.

Surgiu, portanto, da capacidade das pessoas de pensarem sobre questões imateriais, subjetivas e conceituais. Então, é um conhecimento racional.

Caracteriza-se o conhecimento filosófico pelo esforço de questionar os problemas da vida humana, a partir da razão humana.

Esse é o grande mérito da filosofia: desenvolver a capacidade de reflexão e o desenvolvimento do raciocínio nos seres humanos.

Não são teorias que podem ser testadas. Por esse motivo, não é um conhecimento verificável.

Parte de especulações em torno da realidade, tendo com objetivo central a busca pela verdade. O conhecimento filosófico busca, portanto, entender os porquês de tudo que existe.

Daí porque se diz que é um conhecimento ativo, já que coloca as pessoas a pensarem respostas para inúmeras questões.

Em outras palavras, o conhecimento filosófico que construiu algumas ideias e conceitos que explicam questões sobre o mundo e a vida humana que temos nos dias atuais.

Um exemplo desse tipo de conhecimento é: Qual é o sentido da vida? O que é o tempo? Qual é o futuro da humanidade?

Conhecimento religioso

O conhecimento religioso compartilha como os outros tipos de conhecimentos o objetivo de explicar o universo em sua formação e em sua totalidade.

No entanto, a particularidade do conhecimento religioso é se embasar na fé e na crença nos textos sagrados e nas revelações divinas. Ou seja: fundamenta-se na fé.

Em outras palavras, acredita-se que a religião é a verdade absoluta, que explica todos os mistérios que rondam a mente humana.

Em geral, os dogmas religiosos estão nos textos sagrados, como a Bíblia, o Alcorão, etc.

Parte-se, portanto, da compreensão e da aceitação de que existe um Deus – ou deuses – que constitui a razão de ser de todas as coisas. A verdade que Deus revela não é algo discutível, nem questionável às pessoas que acreditam.

Não é, portanto, um conhecimento racional. Nem mesmo precisa de comprovação científica. Afinal, a razão não precisa compreender os dogmas religiosos, apenas aceitá-los.

Os dogmas religiosos reforçam questões comuns na religião: por exemplo, a divisão entre o que é profano e o que é sagrado. O que é pecado e o que é milagre. A partir dessas ideias, confirma-se uma hierarquização de poder dos seres divinos sobre os seres humanos.

Conhecimento empírico

A palavra empírico vem do grego e significa experiência. Então, o conhecimento empírico – ou senso comum – resulta das observações e das experiências das pessoas.

Em outras palavras, parte de um conhecimento popular, que tem origem nas observações do cotidiano. Muitas vezes, é um conhecimento que vem de uma experiência particular que se assume como uma verdade universal e coletiva.

Um exemplo é um agricultor que, sem estudar sobre o assunto, sabe exatamente quando plantar e colher cada vegetal. Isso porque aprendeu com os resultados de plantios e colheitas anteriores.

O senso comum é, portanto, o conjunto de saberes que oferece respostas às questões frequentes do dia a dia, mas que são simples constatações. Quer dizer, não têm comprovação científica.

Muitas vezes, o conhecimento empírico é aquele saber transferido de geração em geração.

Por exemplo, colocar um pedacinho de algodão na testa do bebê para fazer parar o soluço. Você já ouviu isso?

É um conhecimento que minha avó passou para minha mãe. Espalhou por toda família. Minha avó, com certeza, aprendeu com sua avó. E aí por diante. Esse é um saber empírico.

Afinal de contas, não existe comprovação científica – nem mesmo (que eu saiba) uma pesquisa – que garante que utilizar o algodão realmente resolve.

É, contudo, um conhecimento a partir de simples observação. Ou seja: é apenas uma dedução. Por esse motivo, é passível de erro.

Um exemplo bastante usado é que, durante muitos séculos, a partir de conhecimento empírico, se aceitou que o Sol girava em torno da Terra. Mais tarde, a ciência comprovou que, na verdade, a Terra é que gira em torno do Sol.

Agora uma tabela para você entender um pouco melhor sobre os diferentes tipos de conhecimento:

tipos de conhecimento

Diferença entre conhecimento científico e conhecimento empírico

A principal distinção é que o conhecimento empírico não segue o método científico. Daí porque se diz que não tem uma comprovação científica. Já que resulta de mera dedução, a partir de observações e de experiências.

Por outro lado, a formação do conhecimento científico passa, de forma obrigatória, pela observância de um procedimento metódico cujo objetivo é conhecer, interpretar e intervir na realidade.

tipos de conhecimento
Diferença entre conhecimento empírico e conhecimento científico

Um exemplo clássico da diferença entre esses dois tipos de conhecimento é o chá de boldo e o omeprazol.

O chá de boldo é um conhecimento empírico, que surgiu a partir da experiência de alguém que estava com dor no estômago, tomou o chá e constatou que aliviou a dor. Posteriormente, essa pessoa passou esse conhecimento adiante. Contudo, não existe comprovação científica de que realmente funciona.

O omeprazol, por outro lado, é um exemplo de conhecimento científico, já que é um remédio testado em laboratórios, cuja eficiência contra dores no estômago foi comprovada a partir de técnicas e métodos científicos. Entendeu? 🙂

Quer entender melhor? Veja nosso vídeo?

Formatação automática de trabalhos acadêmicos na ABNT

Formatar corretamente o seu trabalho é um passo fundamental para garantir adequação aos padrões científicos.

Porém, sabemos que essa tarefa não é tão simples, né?

Por isso, a Mettzer tem as ferramentas que você precisa para deixar sua vida acadêmica mais leve!

Afinal, o editor de texto de Mettzer formata qualquer trabalho acadêmico — automaticamente — nas normas ABNT. Isso mesmo, formatação automática da capa até as referências 😉

Além disso, nosso editor gera citações e referências de maneira automática para você! 

Assim, você não precisa se preocupar com os detalhes exigidos pela ABNT e pode dedicar seu tempo para o que realmente importa: pesquisar e desenvolver o conteúdo do seu trabalho.

Inclusive, você pode começar seu texto a partir de um modelo de trabalho – seja um TCC, uma monografia, dissertação e até tese.

Ah, e tem mais — a Mettzer conta também com um verificador de plágio para garantir a originalidade dos seus trabalhos acadêmicos.

Incrível, né?!Você pode fazer um teste gratuito por 7 dias 🙂

Perguntas frequentes

Como o conhecimento empírico difere do conhecimento científico?

O conhecimento empírico é baseado em experiências pessoais, observações e informações adquiridas por meio dos sentidos. Ele tende a ser subjetivo e não sistemático, muitas vezes dependendo da intuição e da perspectiva individual. Por outro lado, o conhecimento científico é obtido por meio de métodos científicos, como observação cuidadosa, experimentação e análise de dados. É objetivo, baseado em evidências mensuráveis e sujeito a revisão e validação por outros cientistas.

Como o conhecimento intuitivo pode ser útil?

Esse tipo de conhecimento pode fornecer insights rápidos e espontâneos que não são facilmente acessíveis por meio de processos racionais ou análise lógica. Esses insights intuitivos podem ser valiosos na tomada de decisões, especialmente em situações complexas e incertas. No entanto, é importante equilibrar o conhecimento intuitivo com outras formas de conhecimento e informações disponíveis, para evitar viéses e tomar decisões mais informadas e fundamentadas.

compartilhe

9 comentários em “Tipos de conhecimento: conheça as quatro dimensões do saber”

  1. quero primeiro em endireçar a minha gratiao, por este artigo, foi muito importante para mim, pois sou estudante universitario de serviço social e acçao munitaria.

    Responder
  2. Pesquisando em outro site observei outro tipo de conhecimento que não esta enquadrado deste artigo: conhecimento tácito.

    Responder
  3. “O boldo é uma planta muito usada em todo o mundo na medicina popular como remédio contra má digestão e doenças no fígado. É frequentemente indicada para pessoas que ingerem bebidas alcoólicas em grande quantidade. A ação do boldo é comprovada e acredita-se que a substância responsável pelos seus benefícios é o alcaloide boldina. Além da presença desse alcaloide, as folhas apresentam taninos, óleos essenciais e flavonoides.”

    Responder
  4. Estou fazendo um trabalho de pesquisa sobre o assunto e essa pagina teve a melhor descricao do conteudo que eu encontrei, foi realmente util.

    Responder
    • O Conhecimento Artístico esta incluso no “CONHECIMENTO CIENTIFICO”, assim como qualquer outra matéria da área de humanidade.

      Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Teste agora nosso editor que formata trabalhos nas Normas da ABNT e APA

Modelos customizáveis de acordo com sua universidade