Método científico: saiba escolher o melhor para os objetivos da pesquisa

Compartilhe esse post:

O método científico é um conjunto de regras básicas para realizar uma experiência, visando produzir um novo conhecimento, ou atualizar e integrar conhecimentos pré-existentes.


Introdução

O método científico tem fundamental importância para a execução de qualquer tipo de pesquisa acadêmica, seja ela TCC, monografia, artigo científico, tese, entre tantos outros tipos de trabalho acadêmico.

A formação do conhecimento científico perpassa, obrigatoriamente pela compreensão de que a Ciência atende a um procedimento metódico cujo objetivo é conhecer, interpretar e intervir na realidade.

Para tanto, partimos de problemas formulados que sustentam tais regras e ações adequadas, ou seja, nosso problemas de pesquisa.

Pensando nisso, elaboramos esse conteúdo com todo o cuidado e cheio de informações importantes. Veja!

1. O que é Método Científico?

O método científico é um conjunto de regras básicas para realizar uma experiência, visando produzir um novo conhecimento, ou atualizar e integrar conhecimentos pré-existentes.

Utilizar essas regras com seriedade traz inúmeros benefícios, não apenas para quem lê a pesquisa, mas igualmente para quem a está produzindo.

Por exemplo, protegem o pesquisador da subjetividade, e direcionam sua pesquisa à produção de conhecimentos válidos e científicos.

Isso impede que a pesquisa seja questionada de forma negativa, como se o pesquisador tivesse tirado os resultados de sua imaginação.

2. Diferença entre método científico e técnicas de pesquisa

Inicialmente, é importante que você saiba que métodos e técnicas são coisas diferentes.

Neste sentido, a técnica é responsável por informar a maneira de fazer uma atividade.

Assim, a técnica é responsável por informar o como “como” fazer, quer dizer, quais serão os passos dentro da pesquisa.

Enquanto o método estabelece “o que” fazer.

Em resumo, a forma de aplicação do método é a técnica.

Natureza do método científico

O cuidado da utilização adequada de termos, conceitos e definições significa metodologicamente expressar, na Ciência, aquilo o que sabemos e queremos transmitir.

Desta forma, elencamos alguns conceitos importantes para melhor compreendermos a natureza do método científico, quadro elaborado por Tartuce (2006, p. 12).

a) Fatos – acontecem na realidade, independentemente de haver ou não
quem os conheça.

b) Fenômeno – é a percepção que o observador tem do fato.
Pessoas diversas podem observar no mesmo fato fenômenos diferentes, dependendo de seu paradigma.

c) Paradigmas – constituem-se em referenciais teóricos que servirão
de orientação para a opção metodológica de investigação.

Mesmo que os paradigmas sejam constituídos por construções teóricas, não há cisão entre a teoria e a prática, ou entre a teoria e a lei
científica.

Portanto, um e outro coexistem gerando o que se pode denominar praxiologia.

d) Método Científico – é a expressão lógica do raciocínio associada à
formulação de argumentos convincentes.

Esses argumentos, uma vez apresentados, têm por finalidade informar, descrever ou persuadir um fato.

Para isso o estudioso vai utilizar-se de:

e) Termos – são palavras, declarações, significações convencionais que
se referem a um objeto.

f) Conceito – é a representação, expressão e interiorização daquilo que
a coisa é (compreensão da coisa). É a idealização do objeto.

O conceito é uma atividade mental que conduz um conhecimento,
tornando não apenas compreensível essa pessoa ou essa coisa, mas
todas as pessoas e coisas da mesma época.

g) Definição – é a manifestação e apreensão dos elementos contidos no
conceito, tratando de decidir em torno do que se duvida ou do que é
ambivalente.

3. Tipos de método científico

Tendo em vista a importância de articular bem o método científico, ele não poderia ser único, porquanto cada modelo de pesquisa tem as suas particularidades, que devem ser respeitadas.

Assim, você poderá tomar diferentes caminhos ao realizar seu trabalho.

Temos, dentre diversos tipos de métodos científicos, alguns que são mais utilizados e popularmente mais conhecidos, e outros que, pela sua complexidade, não são tão utilizados.

Nenhum deles é “melhor” ou “pior”, porque, como dissemos, cada pesquisa tem as suas próprias particularidades.

De qualquer forma, preparamos uma lista com todos os eles, com destaque especial para o dedutivo, indutivo e hipotético-dedutivo.

Método Empírico-analítico

Segue a lógica empírica ao diferenciar os elementos de um fenômeno e rever cada um deles, de modo separado.

Método Experimental

Mais utilizado nas exatas e da terra, engloba os métodos hipotético-dedutivo, de observação científica e de medição.

Para tanto, submete o fenômeno estudado à influência de variáveis controladas para analisar o impacto dessas mudanças no objeto estudado.

Esse tipo de método exige um planejamento rigoroso e passos metodológicos claros de como será feito.

Exemplo – Método Experimental

Então, pensando que o fenômeno X estudado, ocorre na presença dos fatores, A, B, C e D.

Para isso é necessário controlar os fatores para identificar qual deles influencia ou anula a ocorrência dos demais.

Veja:

A,B e C produzem X
A, B e D não produzem X
B, C, e D produzem X

Deste modo, concluiria-se que C precisa acontecer para que se tenha X.

Portanto, se removermos os demais e mesmo assim X acontecer, podemos dizer que C é condição necessária e suficiente para que X aconteça.

Método Dialético

Para a execução do método dialético o primeiro passo deve ser definir uma tese considerada uma provável verdade.

Na sequência, teremos ama antítese que vai negar a primeira tese apresentada.

No embate resultante entre a tese e antítese surge a síntese.

Essa síntese pode originar outra tese e recomeçar o ciclo. Esse ciclo acontecerá até que a tese não seja mais contestada. Este método é considerado bastante complexo, veja:

Exemplo – Método Dialético

Tese: a mortalidade dos peixes à vegetação encontrada no lago.
Antítese: a mortalidade dos peixes é causada pela alta concentração de cromo na água.
Síntese: existe uma combinação de fatores que influenciam na mortalidade e que parte dela é caudada pela vegetação e pelo cromo presente na água.

Método Hermenêutico

Se ocupa de estudar a coerência entre diferentes textos.

Basicamente o estudo da hermenêutica, o ramo da filosofia que estuda a teoria da interpretação.

Ainda pode se referir tanto à arte da interpretação quanto à prática e treino de interpretação.

Por fim, a hermenêutica tradicional se refere ao estudo da interpretação de textos escritos, especialmente nas áreas de literatura, religião e direito.

Método Histórico

Basicamente é utilizando para relacionar o objeto ou fenômeno ao conhecimento de etapas pelas quais eles passaram, em uma sucessão cronológica

Método Estatístico

Esse método utiliza a estatística para investigar um determinado fenômeno.

Assim, contribui para a coleta, organização, descrição, análise e a interpretação dos dados.

Se relaciona com a quantificação, análise e interpretação dos dados coletados a partir de técnicas estatísticas como média, moda, mediada, etc.

Desta forma, a estatística permite fazer generalizações a partir de uma amostragem ou ocorrência de determinado fenômeno.

Portanto, se torna possível determinar em termos numéricos a probabilidade de acerto de determinada conclusão, além de calcular a margem de erro dessa conclusão.

Método Comparativo

Inicialmente, tal investigação é feita por meio da análise de dois ou mais fatos e fenômenos.

Portanto, se dá pela analise das diferenças e similaridades existente entre eles.

Por ser versátil, este método pode ser utilizado em diferentes áreas de conhecimento.

Desde ciências sociais por exemplo comparando dois grupos, até na química comparando substâncias diferentes.

Método Experimental

Esse método científico submete o fenômeno estudado a influência de variáveis controladas para analisar o impacto dessas mudanças no objeto estudado.

Para isso, deve-se ter planejamento rigoroso de como será feito.

Método dedutivo

Um dos métodos mais conhecidos e utilizados, o método dedutivo foi proposto por René Descartes (1596-1650) a partir da matemática e de suas regras de evidência, análise, síntese e enumeração.

Esse método parte do geral para o particular.

Então, o raciocínio dedutivo é o silogismo, que, a partir de duas premissas, retira uma terceira, a conclusão.

Exemplo – Método dedutivo

Todo mamífero tem um coração.
Todos os cães são mamíferos.
Logo, todos os cães têm um coração.

No exemplo apresentado, as duas premissas são verdadeiras, portanto a conclusão é verdadeira.

Portanto, deve-se partir de princípios reconhecidos como verdadeiros e indiscutíveis, possibilitando chegar a conclusões de maneira puramente formal, em virtude de sua lógica.

Método indutivo

Neste sentido, outro método popularmente conhecido, o indutivo, proposto por Francis Bacon (1561-1626), para quem o conhecimento científico é o único caminho seguro para a verdade dos fatos.

Assim, o conhecimento seria fundamentado exclusivamente na experiência, desconsiderando princípios preestabelecidos.

Portanto, o conhecimento científico, para Bacon, teria por finalidade servir à humanidade e dar-lhe poder sobre a natureza.

Exemplo –  Método indutivo

Antônio é mortal.
Benedito é mortal.
Carlos é mortal.
Zózimo é mortal.
Ora, Antônio, Benedito, Carlos, … e Zózimo são homens.
Logo, (todos) os homens são mortais.

A partir da observação, é possível formular uma hipótese explicativa da
causa do fenômeno.

Portanto, por meio da indução chega-se a conclusões que são apenas prováveis.

Método hipotético-dedutivo

Por fim, outro método bastante conhecido, o hipotético-dedutivo, foi definido por Karl Popper, a partir de suas críticas ao método indutivo.

Neste sentido, Popper acreditava que aquele método não se justifica porquanto o salto indutivo de “alguns” para “todos” exigiria que a observação de fatos isolados fosse infinita.

Assim, o método hipotético-dedutivo pode ser explicado pelo esquema:

– Problema -Hipóteses – Dedução de consequências observadas -Tentativa de falseamento – Corroboração

Para tentar explicar o problema, são formuladas hipóteses; destas deduzem-se consequências que deverão ser testadas ou falseadas.

Falsear significa tentar tornar falsas as consequências deduzidas das hipóteses.

Por isso, quando não se consegue derrubar a hipótese, tem-se sua corroboração.

Deste modo, para Popper, a hipótese se mostra válida quando superou todos os testes, mas não definitivamente confirmada, pois a qualquer momento poderá surgir um fato que a invalide.

Diferença entre método dedutivo, indutivo e hipotético-dedutivo

Enquanto no método dedutivo se procura confirmar a hipótese,
no método hipotético-dedutivo se procuram evidências empíricas para derrubá-la.

Já, o método indutivo busca formar as hipóteses.

Neste sentido, elaboramos o quadro abaixo para facilitar:

4. Etapas da pesquisa utilizando método científico

Normalmente, mas não necessariamente, a utilização do método científico segue algumas etapas básicas que orientam o planejamento da pesquisa científica.

Uma ordem lógica comum pode ser representada desta forma: observação > elaboração do problema > levantamento de hipóteses > experimentação > análise de resultados > conclusão.

Vamos esclarecer, em linhas gerais, o que cada uma das etapas do método científico representa.

Observação

Na observação, aplica-se os sentidos a um objeto, acontecimento ou fenômeno, de modo a estudá-lo da forma como se apresenta na realidade, na natureza.

Assim, um pesquisador pode observar, por exemplo, que “as crianças de hoje não estão assistindo mais aos canais abertos de tevê”, ou então que “um tipo de soja X não está mais se desenvolvendo em uma região Y”.

A partir desse olhar cuidadoso, inicia-se a elaboração do problema.

Portanto, a elaboração do problema é a etapa do método científico em que o pesquisador organiza questões sobre o que está sendo observado.

Por exemplo:

  • “Por que as crianças não estão mais assistindo à tevê aberta?”;
  • “Quais fatores originaram esse fenômeno?”;
  • “Qual a importância desse fenômeno para as futuras gerações?”.

Levantamento de hipótese

Para tentar responder as perguntas elaboradas durante a elaboração do problema, o pesquisador passa a trabalhar na etapa de levantamento das hipóteses.

Aqui serão utilizados conhecimentos prévios para supor respostas plausíveis aos questionamentos.

Por isso, essa etapa exige total cuidado do pesquisador, pois hipóteses mal elaboradas irão comprometer a etapa seguinte.

Experimentação

Nesta etapa, as energias são todas direcionadas à pesquisa bibliográfica e aos experimentos que deverão confirmar as hipóteses levantadas.

Portanto, unindo teoria e prática, cada questionamento precisa ser respondido e todos os resultados analisados

Análise de resultados

Na sequência, chega o momento de analisar seus resultados.

Nesta etapa, é preciso checar se o que foi reunido é suficiente para explicar cada um dos problemas, de acordo com as hipóteses iniciais.

Também bastante delicada porque aqui será decidido se haverá a necessidade de levantamento de novas hipóteses, que irão desencadear mais pesquisa e experimentação, ou se há resultados satisfatórios suficientes para se chegar à conclusão.

Conclusão

Finalmente, a partir de tudo o que foi pesquisado e analisado, é nesta etapa do método científico que o pesquisador faz as afirmações sobre o objeto ou fenômeno estudado.

Por isso, essas afirmações são chamadas de teorias.

Adiante, quando diferentes hipóteses e experimentos realizados trazem sempre um mesmo resultado, as teorias passam a ser consideradas, cientificamente, como verdades.

5. Formatação automática nas normas da ABNT

Agora que você pode entender um pouco mais sobre método científico, é hora de pensar sobre a sua aplicação.

Por isso, lembre-se de que, seja qual for a sua fase na vida acadêmica, além de saber sobre método científico, você vai precisar deixar tudo o que produzir formatado de acordo com as normas ABNT.

Portanto nós podemos te ajudar muito!

O Mettzer é o editor que formata os seus trabalhos acadêmicos de forma automática, inteligente e eficiente.

Construa os seus trabalhos no Mettzer e descubra como a tecnologia pode te ajudar!

Referências

TARTUCE, T. J. A. Métodos de pesquisa. Fortaleza: UNICE – Ensino Superior, 2006. Apostila.

Resumo
Artigo
Método científico: saiba escolher o melhor para os objetivos da pesquisa
Descrição
O método científico estabelece o conjunto de regras básicas para realizar uma pesquisa. Neste post você conhecerá os principais tipos e como utilizá-los.
Autor
Publicador
Mettzer

2 comentários sobre “Método científico: saiba escolher o melhor para os objetivos da pesquisa”

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.