Pesquisa experimental: conceito, definições e como fazer em 5 passos

Compartilhe esse post:
Tempo médio de leitura: 6 minutos

A pesquisa experimental busca testar hipóteses que dizem respeito à convicção de quem está pesquisando.


O que é a pesquisa experimental?

A pesquisa experimental se caracteriza por manipular diretamente variáveis relacionadas com o objeto de estudo e tem como finalidade testar hipóteses que dizem respeito à convicção de quem está pesquisando.

Pode ser utilizada em pesquisas científicas de modo geral e trabalhos acadêmicos incluindo, TCCs e monografias.

Assim, a manipulação na quantidade e qualidade das variáveis proporciona o estudo da relação entre causas e efeitos do fenômeno, podendo-se controlar e avaliar os resultados dessas relações.

Deste modo, a pesquisa experimental pretende dizer de que modo ou por que causas o fenômeno é produzido.

Para tanto, envolve grupos de controle, seleção aleatória e manipulação de variáveis.

Desta forma, buscam-se generalizações por meio de técnicas de coleta de amostragem realizadas durante a experiência.

Neste sentido, quando os objetos são físicos não há muitas limitações quanto à experimentação, o que não ocorre em experiências com pessoas, grupos ou instituições.

Pesquisa experimental e ciência

De acordo com Fonseca (2002, p. 11-2) “a ciência é uma forma particular de conhecer o mundo”.

Portanto, é o saber produzido através do raciocínio lógico associado à experimentação prática.

Assim, se caracteriza por um conjunto de modelos de observação, identificação, descrição, investigação experimental e explanação teórica de fenômenos […] O objetivo básico da ciência não é o de descobrir verdades ou de se constituir como uma compreensão plena da realidade.

Portanto deseja fornecer um conhecimento provisório, que facilite a interação com o mundo, possibilitando previsões confiáveis sobre acontecimentos futuros e indicar mecanismos de controle que possibilitem uma intervenção sobre eles.

Conceitos básicos da Pesquisa Experimental

A pesquisa experimental constitui o delineamento mais prestigiado nos meios científicos e também leva em conta o método científico.

De forma objetiva, consiste em determinar um objeto de estudo, selecionar as variáveis capazes de influenciar o objeto e definir as formas de controle e de observação dos efeitos que a variável produz no objeto.

Assim, é uma pesquisa em que quem está pesquisando atua ativamente, e não apenas como observação passiva.

A pesquisa experimental pode ser desenvolvida em qualquer lugar, desde que apresenta as seguintes propriedades:

Características fundamentais

Manipulação

 O pesquisador precisa fazer alguma coisa para manipular pelo menos uma das características dos elementos estudados;

Controle

O pesquisador precisa introduzir um ou mais controles na situação experimental, sobretudo criando um grupo de controle;

Distribuição aleatória

A designação dos elementos para participar dos grupos experimentais e de controle devem ser feitas aleatoriamente.

Características e princípios da pesquisa experimental

Para conseguir uma ideia de relação causa-efeito existe uma relação entre a construção da causa e a construção do efeito.

Para isso, deve-se ter a formulações de hipóteses a serem testadas.

Deve-se executar o experimento e observar a saída (variáveis dependentes).

Se o experimento for corretamente elaborado, as conclusões puderam ser formuladas a respeito da relação causa-efeito para a hipótese estabelecida.

Como fazer uma pesquisa experimental

Considerada por alguns como a melhor metodologia de pesquisa  a ser utilizada, a pesquisa experimental é capaz de isolar as estruturas do meio exterior para que não haja nenhum tipo de interferência.

Dessa forma, seus resultados ficam mais confiáveis e imparciais.

Como é um tipo de pesquisa flexível, em que qualquer variável pode ser manipulada, seu resultado pode ser surpreendente, gerando também ações diferentes a partir de sua informação.

Sendo, dividida em três grupos, a pesquisa experimental pode ser feita pelo modo de experimento:

  • Apenas-Depois, que só estabelece dois grupos homogêneos para análise, trazendo as diferenças e variações;
  • Antes-Depois com apenas um grupo submetido a análise e que passa por algum tipo de estímulo,
  • Antes-Depois com dois grupos antes de qualquer estímulo e controle, que pode ser repetidamente testada até se atingir uma resposta satisfatória.

Ao conduzir um experimento, deve-se estudar as saídas modificando algumas variáveis de entrada do processo.

Por isso, antes de iniciar a execução de um experimento é necessário definir as variáveis dependentes e independentes

Variáveis dependentes e independentes

No que diz respeito às variáveis, é importante saber que existem dois tipos de variáveis em um experimento:

Independentes

Essas primeiras são todas aquelas que podem ser manipuladas ou controladas.

Desta forma, possuem um certo efeito sobre as variáveis dependentes.

Dependentes

Já, as variáveis dependentes são aquelas que queremos estudar para ver os efeitos das mudanças nas variáveis independentes.

Normalmente temos apenas uma variável dependente que, na maioria das vezes não é diretamente mensurável.

5 passos para a realização de uma pesquisa experimental

A pesquisa experimental procura entender de que modo ou por que causas o fenômeno é produzido.

Para tanto, quem está conduzindo a pesquisa pode fazer uso de aparelhos e de instrumentos ou, ainda, de procedimentos apropriados e capazes de tornar perceptíveis as relações existentes entre as variáveis envolvidas no objeto de estudo.

Desta forma, adota o critério da manipulação de uma ou mais variáveis independentes (causas), sob controle, observando e interpretando as reações e modificações ocorridas no objeto de pesquisa (efeito – variável dependente).

Desta forma, o experimento é imprescindível e a interpretação deve ter fundamentação teórica.

Então, o experimento deve explicitar os materiais e métodos (para cobaias) ou casuística e métodos (para pessoas).

1. Definição do Contexto

Em primeiro lugar, deve-se definir o escopo do experimento, que deve ser estabelecido em termos do problema existente, objetivos e mensuráveis.

2. Planejamento

Na sequência, o projeto do experimento é determinado, a instrumentação é preparada e as ameaças ao experimento são avaliadas.

3. Execução

Já, na etapa da execução as medições são realizadas.

4. Análise e Interpretação

Além disso, devem-se coletar os dados com suporte estatístico

5. Apresentação e Empacotamento

Por fim, os resultados são apresentados e empacotados, ou descritos.

Seleção dos participantes

Neste sentido, a seleção dos participantes está diretamente relacionada à generalização dos resultados de um experimento.

Para tanto, a seleção deve ser representativa para a população e a amostragem pode ser probabilística ou não-probabilística

Amostragem probabilística

Neste modelo de amostragem, a probabilidade da seleção de cada participante é conhecida.

Por exemplo, pela forma de amostragem aleatória simples, em que participantes são selecionados aleatoriamente em uma lista.

Já, na amostragem sistemática, essa seleção obedece a uma metodologia.

Amostragem não-probabilística

No que se refere à amostragem não-probabilística, a seleção dos participantes não é conhecida.

Diferença entre as pesquisas documental, experimental, exploratória, descritiva e explicativa

Além da pesquisa experimental, entender alguns outros tipos de pesquisa que costumam causar confusão pode ajudar a compreensão do método.

Em primeiro lugar, note que as duas primeiras, a documental e a experimental, são classificações quanto aos procedimentos.

Já, as últimas, exploratória, descritiva e explicativa são classificações quanto aos objetivos.

Pesquisa documental

Assim, a pesquisa documental é uma classificação quanto ao Procedimento e é elaborada a partir de material que não recebeu tratamento analítico.

Por exemplo, um texto jornalístico pode ser elaborado de um material sem tratamento analítico, então documental.

Pesquisa experimental

Em primeiro lugar, na pesquisa experimental se determina um objeto de estudo, e é uma classificação quanto ao procedimento.

Além disso deve-se definir as formas de controle e de observação dos efeitos que a variável produz no objeto.

Pesquisa exploratória

Já, a pesquisa exploratória objetiva proporcionar maior familiaridade com um problema e é uma classificação quanto aos objetivos.

Para tanto, envolve levantamento bibliográfico, entrevistas com pessoas que tiveram experiências práticas com o problema, além da análise de exemplos.

Deste modo, assume em geral a forma de pesquisas bibliográficas e estudos de caso.

Pesquisa descritiva

Por sua vez, a pesquisa descritiva objetiva caracterizar certo fenômeno, como, por exemplo descrever as características de certa população e também é uma classificação quanto aos objetivos.

Pesquisa explicativa

A última categoria por objetivos, a pesquisa explicativa, visa identificar os fatores que determinam fenômenos e explica o porquê das coisas.

Formatação automática da pesquisa experimental nas normas da ABNT

Tendo em vista que os resultados de qualquer pesquisa dependerão de publicização, seja por meio de artigo científico, publicação em anais, pôster, pensar no formato do trabalho final é tão importante quanto escolher os procedimentos.

Para isso, você pode optar pelo Mettzer, o editor de texto que configura o seu trabalho dentro das normas da ABNT sem complicações.

Então faça um teste gratuito e conheça essa ferramenta que está mudando a relação de estudantes com a formatação de seus trabalhos!

Referências

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

Resumo
Artigo
Pesquisa experimental: conceito, definições e como fazer em 5 passos
Descrição
A pesquisa experimental busca testar hipóteses por meio da seleção de variáveis dependentes e independentes. Confira o material completo.
Autor
Publicador
Mettzer

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.